27/03/2008

Criticas Irracionais

-Eu [ironia]concordei[/ironia] com o Senador Mão Santa quando pediu pro Piauí todo votar na Gyselli, segunda-feira na TV Senado.Pena que a maioria das pessoas de lá não têm telefone.

-Eu acho que não é preconceituoso o Seu Jorge chamar a menina de "Pretinha" no começo da música "São Gonçalo". O fato dele também ser afro-descendente anula todo significado pejorativo. Estranho seria o Ovelha cantando: "Uou Uou Iê Iê, Pretinha, sem você não viverei"

- Todo mundo come banana com um puta falso moralismo. Muita gente tem vontade de chupar, e outras de ficarem olhando. Voto para que comam mais bananas durante um orgasmo.

- O espirro É uma arma inerente ao corpo-humano. A capacidade que um espirro tem de afastar quaisquer pessoas próximas é pouco explorada. Mike Tyson precisaria ter mordido metade das orelhas que mordeu, se tivesse espirrado em luta.

... em breve, assim que me lembrar, teremos mais criticas irracionais...

O dito é verdade, e DOU FÉ!

26/03/2008

Pleno Quotidiano Versão ÔMEGA

Tá no canto lá, é só baixar

AGORA CHEGA DESSA PEÇA!

E quem já não viajou no Perfil do orkut, não é mesmo minha gente?

"About me",você pergunta?
Dono da realidade nua e crua,
quem sabe, mais crua do que nua.
Aquele circo que parece castelo,
esses dias tinha o cabelo do Belo.

Um oportunista interesseiro.
Grosso, insensível em demasia.
O que não foi, mas disse que ia.
Quer confete, emoçao na despedida,
só odeia satisfações sobre a vida.

Mune-se de princípios atoa.
Pisciano otário que ama demais.
Certo dia, ignorou o amor, ademais.
Agora vive à sombra da mágoa,
sempre junto daquela fresca água!

Fala mal, grita, ri alto, se exibe.
Diz por aí que gosta de uma arte,
mas nunca se viu fazer sua parte.
Diz também que é sincero, engano,
é um pândego hipócrita desumano.

Caso o chamem para a conversa,
encarnará a simpatia em pessoa.
Fará o que pode, mesmo que atoa.
Ele gosta de rir, e de fazer rir,
só é simples demais pra fingir sorrir.

Hoje sofreu com uma ânsia.
Uma vontade de se qualificar,
de olhar pra si e se entitular.
Ele está mudando o costume,
só não perdeu seu auto-ciúme.

Aguardem, amanhã.
A opinião sobre si próprio,
será outra.
Louca.

17/03/2008

Assim que...

toma folego:

eu vou visita-los assim que juntar dinheiro assim que arrumar emprego assim que passar na entrevista assim que me chamarem assim que deixar o curriculo assim que sair pra procurar assim que acordar cedo assim que eu sair da frente do computador.

sem virgulas, significa sem pausa pra respirar, de acordo com minha ex-professora.

Futuro do Pretendo-te

Dividindo essa vontade com a solidão;
Sigo, por ti, preso em meus princípios;
Tudo o que, um dia, tu elogiarás em mim.

Sou o equilíbrio desmontado pela ênfase;
Tu és o bom futuro e a calmaria plena;
Sou as hipóteses e teorias da estrada;
Tu és a certeza da felicidade em prêmio.

Vitória de quê? Da luta pelo entendimento
Em prol do amor maior que os diálogos.
Tu és aquela, a minha, essa, esta, a tua.

Sou o meu. Nunca teu. Sem sair de mim.
Pois se fugir de meu eu, jamais estarei aí.
Contigo, conosco, com eles; e até, comigo
( por mais que desafie linguagens e ciências).

Possessões à parte, te amo pelo resto de tudo.
Amo-te por ter me feito amar outra antes de ti,
Para que em desilusões e em erros, aprendesse.

Amo-te por estar esperando tanto pra surgir,
Pois assim eu sonho com o talvez, ou seja,
Faz-me procurar e amar-te na dúvida de quem és
Amo-te pelas besteiras que fiz e faço hoje.

E para que, no futuro, você aceite meu passado,
Amo-te pelo acordo que iremos firmar
No qual, qualquer falha será um assunto,
E nunca o fim.

E se algum dia este chegar...
...Amo-te por me fazer te esquecer
E partir para outra, devidamente pronto.

12/03/2008

O fim[?] do Quotidiano.

Obrigado pela paciênca. Para os confusos um arquivo pdf com a peça na íntegra será lançado em breve e postarei cá no blog.

Pleno Quotidiano XVI

Cena 16

(quarto de Carina, ela está sobre a cama encolhida lendo a revista.)

(batem na porta)

Marcos: (de fora) - Cá, abre aqui!
Carina: - Má? O que foi?
Marcos: - Abre logo.
( Carina levanta-se e abre a porta)
Carina: - O que...
Marcos ( abraça-a chorando) -Carina, não me abandone nunca , por favor!
Carina:(tempo) - A Gabriella descobriu?
Marcos: - Foi
Carina: - Ela viu alguma coisa?
Marcos: -Não...Por sorte ela só ouviu que eu tinha feito.
Carina: - Ela sabe que você...
Marcos:(interrompendo) - Por favor, não complete essa frase.
Carina: - E o que mais?
Marcos: - Dá pra ver que tem algo a mais?
Carina: - Dá sim.
Marcos: - Adivinha.
Carina: - (pausa)Não vai andar mais de fusca?
Marcos: - Exato. Além de ter me dado um "pé", vai embora depois de amanhã.
Carina:(silêncio)
Marcos: (chora baixo)
Carina:- Você...tá...amando?
Marcos: - Já não sei mais. Depois de tudo que me falaram, não sei se amo. O que é o amor , não sei!
Carina: - Não sabe é?
Marcos: - Definitivamente, não sei. Entendi de uma vez que não posso mudar as pessoas, e tenho que aceitá-las; entendi que não se fala "eu te amo" como se fosse obrigação. Só não entendi uma coisa: o que eu fiz pra merecer tudo isso.
Carina: Você não sabe se ama?
Marcos: - Não sei.
Carina: - Nem a mim ?
Marcos: ( longa pausa) - Você...
Carina: - Olha essa revista, olha essa capa, olha essa frase.
Marcos: (pausa) - Os nossos quotidianos são comuns.
Carina: - São. Sempre foram.
Marcos: -Por que não, mais próximos ?
Carina: -( longa pausa) De uns tempos... Ah... Nada.
Marcos: Fala
Carina: - Não há um porquê.
Marcos: - Fala , pelo amor de Deus!

(começam a perambular pelo quarto sem se encararem diretamente)

Carina: - Eu...ultimamente. Eu quero...
Marcos: - O que eu sempre quis, mas nunca percebi.
Carina: - E a amizade?
Marcos: - Nunca foi amizade. Você se dedicou mais a mim do que a você.
Carina: - Eu sempre quis...te conhecer, te entender. Eu me viciei.
Marcos: -Eu não te amo.
Carina: - Eu também não te amo.
Marcos: -Eu quero ser normal.
Carina: - Eu quero você.
Marcos: - Por quê?
Carina: - Eu quero você porque eu quero a mim.
Marcos: - Sua salvação sou eu?
Carina: - Não você. Mas o que você representa pra mim nesse momento.
Marcos: - Você não me admira.
Carina: - Não. Eu admiro o que você conseguiu fazer comigo. Você me fez admirar alguém. Assim eu fui acorrentada ao seu calcanhar.
Marcos: - Então, se nos pegarmos agora, essa dúvida estará esclarecida?
Carina: - Provavelmente.(pausa) E pra você, no que vai ajudar?
Marcos: -Pela primeira vez, vou ficar com alguém e não vou dizer que amo em seguida.
Carina: - Isso não basta.
Marcos: -Eu sinto tesão em você.
Carina:- Eu também...Eu também sinto tesão em mim.
Marcos: - Seu hobby lhe tornou letal pra mim. Você me conhece mais do que eu mesmo.
Carina: - Repito. Tive que te conhecer. Minha vida tinha perdido sentido.
Marcos: - A coisa que eu mais quero nesse momento é transar com você.

(longa pausa)

Carina: - E o que mais?

(pausa maior ainda)


Marcos:- O mocinho nunca fica com a melhor amiga no final.


( maior pausa da peça)


Marcos:- Tchau, Carina.
Carina: - Tchau, me liga quando estiver melhor.
(sai)

(B.O)
(PANO)

11/03/2008

Pleno Quotidiano XV

Cena 4

( sala de aula, Marcos em evidência, figurantes entram e vão se sentando, simulando os alunos)


Marcos: - Olha só quem está aqui!
- Pivete!
Marcos: -Ê , gracinha! Sabe que eu me chamo Marcos.
- Sim , sei.
Marcos: - Mas e aí ? O que está achando?
- Uma merda. O povo daqui fede. Sabe quando você entra num lugar e pensa "Meu Deus, o que eu estou fazendo aqui!?"
Marcos: -Entendi, vou pra lá...
- Espera brow. Não é contigo não.
Marcos: - Que doce está hoje...
- Posso ser mais doce que isso, você nem imagina.
Marcos: ( silêncio)
(ri) - Calma, rapaz. Estou zuando.
Marcos: - ha ...ha ha...( riso falso)
- Não precisa fingir pra mim.
Marcos: -Não to fingindo. Demorei a entender apenas.
(tempo)
- Diga , Marcos...
Marcos: - Oi!
- O que achou do povo dessa sala.
Marcos: - A maioria não tem metade do cérebro útil. Tem uns que pensam que tem, esses são piores.Prá lá (apontando) ficam os ricos e ratos de academia, pra cá (aponta pro lado oposto) os nerd's e os velhos.
- E nós no meio.
Marcos: -Talvez. Mas por puro acaso.
- Eu acho que você está no meio por opção.
Marcos: - Ah...
( é interrompido por uma voz de professor que começa a fazer chamada)
- Dizia?
Marcos: -Esquece...
- E as cocotas?
Marcos:- Quem? As minas?
- Isso, isso.
Marcos: - Tem umas gostosas, só que a maioria se encaixa na classe dos sem cérebros.Tem aquela lá, mais velha.Eu pegava.
- Que nojo!
Marcos: - Dá caldo...
Voz do professor:-MARCOS?
( os dois erguem o braço)
Ambos: Presente!
( Marcos olha assustado)
Professor: Calma, quem é Marcos Felipe?
Marcos: Eu.
Professor: Você é Marcos Paulo?
Paulo: -Sim, mas prefiro Paulo.
Marcos: -Seu nome é igual ao meu é?
Paulo: - É o que parece. Temos muito em comum. Não acha?
Marcos:- Sim...

(Fade out, B.O)

09/03/2008

Pleno Quotidiano XIV

Cena 14

(pequeno jardim com bancos, dentro da faculdade, chega Marcos)

Marcos: Por que você mandou me chamar?
- Eu quero que você pare com isso.
Marcos: -Seja específico, não sou adivinho.
- Pare de falar que você ama as pessoas.
Marcos: - Não.
- Você diz pra quem não deve.
Marcos: - Pra quem?
- Disse pra mim na lanchonete, disse pra coitada da Gabriella ontem na praça e disse pra não sei que amiga ao telefone.Pra essa deve falar sempre.
Marcos: -Você ta me espionando, filho da puta!
- Estou sim. E cheguei à conclusão que você é mais decepcionante do que eu imaginei.
Marcos: - Eu não estou aqui pra agradar. E do jeito que você fala, parece que EU sou quem sempre toma a iniciativa.
- Eu te beijei por que eu quis, todas as vezes.
Marcos: E então?
- Não quero mais. Chegou a hora de você tomar uma decisão definitiva na sua vida.
Marcos: - O que é isso? Um pseudo-fora?
- Presta atenção, Marcos, toma uma resolução.
Marcos: - Que resolução? Você quer que eu te escolha? É isso?
- Não.
Marcos: - Então o quê? Quer que eu perca a vergonha? Eu te beijei na lanchonete, lembra? Lá qualquer um poderia ter visto.
- Não é isso.
Marcos: - Então, na certa, tá querendo que eu mude meu jeito por você, saiba que n...
( interrompendo e gritando) - PÁRA DE FINGIR QUE NÃO ESTÁ NEM AÍ, COM ESSAS PERGUNTAS! Escuta bem, eu não quero você, porque eu não GOSTO de você, eu odeio as suas mentiras, eu odeio seu jeito besta de dizer que ama todo mundo e , por trás, ficar criticando.Eu não suporto o jeito que você se isolou do mundo. Você se acha o melhor por isso. E eu , fui a única pessoa que descobriu isso, te desarmou.Pensei que nu, você fosse melhor. Ledo e estúpido engano. Você , mesmo nu, tenta desesperadamente esconder teu pinto e teu cu! Saca? Você mesmo quando não tem mais jeito de se esconder, não dá o braço a torcer.
Você Marcos, parece ser alguem de conteudo, mas no fundo, é uma criança traumatizada, que deve ter sido muito pisada pelo mundo e quer encontrar nos outros a culpa de tudo. O mundo é como é! As pessoas são como são! Repito.
Marcos: -Ah...
(interrompendo novamente) - E antes que você dê uma desculpa esdruxula, eu vou te dizer. Mesmo com tudo isso você é apaixonante! Mesmo flagrado. Pois é admirável ver o jeito que você não desce do salto.Só que, pra mim, isso tudo não dá. Eu vou embora depois de amanhã, eu vou voltar pro Rio. Tinha que te dizer isso tudo. Agora eu quero que você vá lá, e diga exatamente assim pra Gabriella: Pede desculpas.Diz que é fato. Que você nunca a amou.Que você foi um idiota.Melhor, você é. Que você só quer o perdão dela, um dia.Diz que foi muito bom ficar com ela esse tempo.Mas vocês não se merecem mesmo.Que você é "bom demais pra ela".Você não é digno dela. É o pior tipo de covarde.É aquele que vai pra luta, mas se alia com o inimigo...Pode falar agora.
Marcos:(tempo)- Você me amou?
- Nunca, talvez nem ela.
Marcos: - O que eu faço de mim?
- Há tempo. Olhe pra dentro de si.
(Marcos vai saindo, nisso Gabriella aparece mas não notam sua presença, quando Gabriella o vê, vai em direção dele pra falar alguma coisa, mas é interrompida)
Marcos:(gritando de longe) - Eu digo que traí ela?
- Ela não merece isso. Diz que não a amae pronto.
Marcos: - Mas eu...
- VOCÊ NÃO A AMA!
Marcos: -Se é isso que você sempre quis ouvir, é mesmo.Eu não amo ninguém.
( Gabriella que ouviu isso aparece em vista)
Gabriella: - Eu devia saber! Cachorro, filho da puta!
Marcos:- Gabi! Faz tempo que está aí?
Gabriella: - O suficiente pra saber que você é infiel e mentiroso! (sai correndo)
Marcos: - Gabi! (sai atrás)
(Só em cena, olha pro chão um tempo) - Eis minha verdade...espero um dia ter essa mesma ajuda de alguém...(sai)

B.O

Pleno Quotidiano XIII

Cena 11

( sala de aula cheia, em evidência o canto em que Marcos senta, ouve-se ao fundo algo que simula a voz de um professor explicando alguma matéria)

Gabriella: - O que você tem hoje?
Marcos: (apontando com a cabeça) - Tem uma presença me irritando.
Gabriella: -Qual é o problema entre vocês? Eu não entendo! Quem vê pensa que são amigos.
Marcos: - Mas não somos.
Gabriella: - Então você é um falso
Marcos: - Por quê !?
Gabriella: - Porque você conversa demais com uma pessoa que nem gosta.
Marcos: -Não tem como fugir.
Gabriella: - Claro que tem, isso pra mim é rabo preso.
Marcos: -Que rabo?
Gabriella: - Qual é o segredo que você contou e te faz não poder discutir?
Marcos: - Nenhum.
Gabriella: - Há alguma coisa. De que falavam antes de eu chegar na sala?
Voz do professor: - Vamos esperar nosos colegas ficarem em silêncio, o papo está tão bom.
Marcos e Gabriella: - Desculpa.
(tempo)
Gabriella: - Depois conversamos...( afasta a carteira sem levantar-se)
(tempo)
(aproveitando que Gabriella se afastou, aproxima sua carteira) - Tomou cagada.
Marcos: - Vá à merda.
- Ela ta com a pulga atrás da orelha em relação a mim né.
Marcos:- Por que você está fazendo isso comigo? Você gosta tando assim de mim? É tão grande seu ciíme?
- Não é ciúme. Você não foi feito pra Gabriella.
Marcos: - Quem é você pra julgar isso?
- Sabe muito bem quem sou eu.
Marcos: - Sai daqui, vai afasta essa carteira.
- Marcos, talvez não seja de mim que você goste.Mas dela não é. Pára com isso. Para com essa mania de querer mudar as pessoas! Pára de achar que devem ser feitas para se adaptar a você.
Marcos: - Eu não acho a Gabriella perfeita, porém estamos juntos.
-Você está com ela por pura obrigação. Pra fingir pra mim, pra você e pra não sei mais quem, que consegue amar alguem como é.
Marcos: - O que você diz não faz sentido.
- Escuta, seu babaca, nesse mundo há um equilíbrio, a pessoa certa pra você não é nem quem tem tudo o que você gosta e nem a que tem tudo o que você não é. Não sou eu , nem é ela.
Marcos: (falando alto)- Sai daqui vai.
- Pára de show, cacete.
Marcos:-Sai, sai! (ameaça com uma caneta)
- (rindo) O que você vai fazer com isso?
Marcos: - Vou , sei lá, vou riscar teu braço! (começa a riscar)
- Pára seu muleque!
Marcos:(falando bem alto)-Agora vaza pra lá , vaza.
(gritando) - Então é essa sua fuga, fazer escandalo na classe?
Voz de professor: - O que é isso?
Gabriella: -Marcos!
Marcos: - Meu! Eu não te suporto!
(ri)-Mentiroso, você não vive sem mim.
Marcos:- Vá se fuder!!
Voz do Professor: -Agora chega, isso não é pré-escola, vão resolver essa briguinha besta fora da minha aula.
Marcos:(saindo) - Desculpa professor.
(saindo atrás) -Pivete.

B.O.

Pleno Quotidiano XII

Cena 7

( dentro do fusca, efeitos e BG's de uma forte tempestade)

Marcos: - Que é isso! Vai cair o céu!
- (silêncio)
Marcos: - Vira a direita agora.
- (silêncio)
Marcos: - Sobe essa.
- (obedece, na mesma)
Marcos: - Que foi? Eu tô guiando mal de novo?
- Marcos, isso é o que parece?
Marcos: -Isso o quê?
- Porque você está nesse carro?
Marcos: - Olha pra fora! Tá vendo a tempestade que tá caindo!
- Dente tantos meios que você poderia ter usado pra chegar em casa...Por que justamente o meu fusca?
Marcos: (sente-se flagrado) - Porque...porque...foi o primeiro que apareceu.
- Nós dois sabemos que não.
Marcos: - O que você está insinuando?
- A verdade. Você atravessou duas ruas embaixo de chuva, pelo o que eu percebi estavam ao lado oposto do caminho pra sua casa. Não havia motivo aparente de você estar andando por lá, a não ser porque foi onde estacionei.
Marcos: - Eu estava lá...
(interrompendo) - Agora eu fico aqui pensando. Qual a razão dessa carona. Ver, você me vê sempre. Conversar, também , sempre que quer. A sós, talvez, mas sempre é onde alguém possa nos ver de longe. Mas aqui. Dentro desse fusca. É o lugar perfeito! É a melhor situação pra você fazer o que vem planejando desde o dia em que me conheceu.
Marcos: Isso que você está falando é lou...
(interrompendo e gritando) - PÁRA DE FINGIR CARALHO!
Marcos: (pausa) - Eu quis mesmo.
- O que você vê em mim?
Marcos: - Porque você quer saber isso?
- Simples. Eu quero ver se nossas opiniões batem.
Marcos: - Você acaba comigo, você tem espírito cênico, você tem as melhores respostas, com você o papo flui, com você me sinto parte de uma grande trama importante, na qual eu sou o personagem principal.
- ...você gosta do cotidiano ao meu lado?
Marcos: - Melhor palavra você não poderia ter usado.
(pára o carro, olham-se, tocam-se e prestes a beijar...)
(tira o rosto) - Sai
Marcos: - Ta me expulsando ?
- Não, eu vou sair também.
Marcos: - Por quê?
- Eu vou te beijar lá fora, no meio da rua, onde todos possam ver.
( pausa, Marcos sai do carro )
(saindo em seguida) - Agora eu vou dizer o que me atrai em você.
Marcos: (aproximando-se) - Fala.
- Sua louca vontade de criar situações, de querer mudar o mundo, ou melhor, de querer mudar as pessoas. Entenda, elas são como são.
Marcos:- Mas o que isso tem a ver com você?
- Eu gosto de irritar meninos mimados.
( longa pausa, olham-se mais carinhosamente do que de costume, Marcos cede ao momento, beijam-se sobre a chuva. Um caminhão passa e buzina. Entram correndo de volta no carro)

B.O