27/05/2008

3:30 AM

Que sensação é essa? Que medo do que está por vir povoa o meu ser, hoje, aqui em meu velho quarto azul? "Li" meu álbum de fotografias à Camões: de uma maneira "nunca dantes explorada".
Vi tudo o que a vida, ou , sem ter vergonha, este Ser maior, está querendo me mostrar, me esfregar na cara, me fazer engolir, digerir e carregar comigo.

De qual pressuposto infame estou, eu , partindo quando sinto-me só e para sempre à mercê de um destino repleto de infortúnios?

Há sim, quem me apoie e deseje, mais que tudo em sua vida, meu pleno sucesso e realização pessoal. Mal-agradecido, eu omiti tal fato de minha mente e coração.

"De hoje em diante, serei quem sou, no instante agora". Foto por foto, via que nada em minha vida fora em vão, portanto não tenho o direito de torná-la obstoleta conforme sigo meus futuros passos.

Idealizei meu percurso, seguir-lo-ei , agora, com a elegância de um errante. O que me felicita é saber que já saí de fábrica com o alvará para cometer quaisquer erros. O máximo que me custará é a morte, quero dizer, só por consequëncia dela não poderei consertar meus enganos.
Minha humanidade é, sempre foi e sempre será, meu maior e melhor porto seguro. Não me consifero perfeito, mesmo, e dou graças por isso. No entanto, tal fato não é justificativa para a "persistência no erro auto-confortante". Fiz-me entender, creio.

Voltando à trajetória que estou a percorrer, abri meu leque de opções e lido com elas de uma maneira assustadoramente objetiva: uma proeza inerte ao meu ser.

Daí, assim:
Em dezenove anos e dois meses, fui sendo rodeado pelo meu destino, mesmo que eu ou outros tentássmos fazê-lo dasistir. O danado encontrou uma brecha e foi tomando conta pouco a pouco. Tá aqui agora, ao meu lado, fazendo-me cafuné enquanto escrevo. Dando-me, assim, inspiração: uma das suas principais armas na luta por sua própria realização.

Sobre o destino, é impossível citá-lo sem o relacionar diretamente à sua mandante: a arte.
Juro que sou artista, viu? Amiúde faço por aí das minhas artes. Não precisam ser reconhecidas pela sociedade, por um amigo, por um estranho, por mim, por ninguém! A arte se basta pelo ritual estabelecido no momento de sua criação. Aí, eterniza-se, pois, mesmo com etapas primitivas, o destino dessa arte já está muito bem ob/subjetivado. Estando eu também em mesmas condições, concluo, na penúltima foto, que também sou arte.

25/05/2008

Respostas que devem ser reveladas mais tarde

- Vai pra rua logo, tá me enchendo.
- Tá bom então. Tchau. Fui. Pra sempre.
- ( pausa e mudança de expressão) Ai, não fala assim.
- Falo mesmo.
- Não fala, que eu morro de remorso se você morrer.
- Por quê?
- Porque eu não deixei você ser tudo o que quis na vida.
- E quem disse que precisei da sua permissão.Imagina.

14/05/2008

Fim, relaxado moleque!

Ter maturidade,
madura idade.
Ser adulto, então,
só pra variar.
Desisto.Sério mesmo.
Parei de me forçar.
Forcei-me a querer.
Quero normalidade,
normal idade.
Ah! Meus dezenove!
Dez e Nove:
o mínimo de notas,
que quero receber.
Recebo-as por mim,
como desistência.
Fim
.
Tudo até agora
foi deveras relaxado.
Por que, meu Deus,
eu sei que vai
continuar sendo,
mesmo que eu
não queira mais
que seja assim ?
Que seja!
Vou fingir, então,
que não tá sendo.
Cedo,
do verbo ceder.
Nunca estará perfeito;
não posso, contudo,
privar-me de tentar.
Só pelo prazer
de ser
relaxado
.
Conselhos que me deram:
Façam valer!
Clamo por eles,
no interior de meu ser.
'Estabeleça-se,
moleque!'
'Pense e aja,
moleque!'
'Planeje e crie,
moleque!'
Só não perderei
o pouco que tenho
de moleque.
Não posso mais
sonhar em ser
mal-agradecido.
Tudo o que me deram
até hoje
foi muito,
em vista
do cara fútil
em que me tornei.
Parar-me-ei.
Onde já se viu?
Tanto amor assim
em mim
pra mim
por mim
perante mim
E eu aqui,
moleque
!

09/05/2008

O post do Alcólatra 2

Não sei dizer o porquê, mas parece que só extremamente bêbdo consigo escrever tudo o que eu estou sentindo.Talvez seja pela maldita inspiração, que só vem quando você está em estado de exctase por algo ocorrido. Sinto 50% da condição alcoolatra indo embora, e isso me faz capaz de contar a todos vocês: finalmente fui feliz!!!
Sabe quando desde muito cedo você alimenta aquele desejo imenso em sua alma? E não obstante, quer cumpri-lo da melhor maneira possível? Pois é, foi o que aconteceu hoje.Muito bêbado estou escrevendo isso (perdoem-me pelos erros de ortogratifa/gramática/sintaxe/pontuação/etc), para contar-lhes a grande felicidade que se aloja recentemente em meu peito. Finalmente pelo poder de minha palavra, consegui conquistar, fazer alguém certo daquilo que queria. Dessa forma, fui feliz e realizado. Estou satisfeito; entretanto, sobra um gostinho de "quero mais'.
Só o tempo me responderá.
Por hoje, valeu. Minha ânsia de vida foi regurgitada, e vomitada também.
Mesmo que o texto não faça sentido algum.

05/05/2008

Samba / RAP de última hora...

Me recuso

Tá todo mundo preparado.
Vai crescendo e aprendendo,
que nesse mundo de histórias,
quem não pegar, tá perdendo.

Acho que já aprendi qual é
o jeito certo pro errado.
Só não vieram me ensinar,
o amor tá ultrapassado.

Mas me recuso a acretidar,
que por um dia acreditei.
Pra alguém, podia falar
tudo aquilo que eu falei.

Verdade, verdade verdade!
Cala o mundo e vem passar aqui.
Mentira, mentira soberba!
A Raiva de amar, sorri!

Verdade, verdade e maldade!
Desistir do amor pelo tesão.
Mentira, mentira, mentira!
Quem bate melhor é o coração.

Será meu pecado a vontade,
dos tempos idos do sentir?
Pois digam à toda sociedade:
Já que nasci, não vou fingir.

Se eu pensar em desistir,
me impedirá, essa paixão .
Minha verdade é turva e só.
Fere a alma e aceita a razão.

Só me recuso a contrariar,
as ordens dúbias do prazer.

Penso melhor e deixo estar.
Só quero sentir, o que é pra ser.

Verdade, verdade verdade!
Cala o mundo e vem passar aqui.
Mentira, mentira soberba!
A Raiva de amar, sorri!

Verdade, verdade e maldade!
Desistir do amor pelo tesão.
Mentira, mentira, mentira!
Quem bate melhor é o coração.


[ okay, não me perguntem de onde veio isso...pensei e fiz!]