31/07/2008

Defronte o Senhor das Moscas

" Os olhos meio-fechados estavam turvos com o infinito cinismo da vida adulta. Eles asseguraram a Simon que tudo era um mau negócio.
-Não existe ninguém para lhe ajudar. Apenas eu. E eu sou o Bicho... Coisa vã o Bicho ser algo que você possa caçar e matar!... Você sabia, não? Eu sou parte de você? Perto, perto, perto! Eu sou a razão por ser tudo sem jeito? Pelas coisas serem do jeito que são?"*
Se fosse pra escolher algum, eu escolheria o Simon.
Estar junto, sentir-se incluso, escutar ao chefe, à concha!
Dar sua opinião, encorajar seu amigo, obedecer ao errado (mesmo discordando), pensar bem para falar, e não conseguir falar nada.
Procurar um jardim secreto, atrás da cortina de samambaia, com um círculo de borboletas.
Sentir-se violado com Beelzebub parado em meu santuário, encarando-me com seus olhos cínicos, e alucinar-me por sua presença hipócrita.
Mesmo assim, seria o único com coragem de subir e encarar o Bicho. E descobrir quem é ele. E vomitar em sua presença. E descer correndo, com lágrimas nos olhos. E de chegar gritando. E de entrar de butuca no ritual. E de ser assassinado pela massa. Engolido pelo mar...
Pra depois passar por isso tudo, ser comparado à alegoria de fé e religião!
Pois que eu seja o incerto Simon, alegorizando minhas verdades ocultas.

20/07/2008

Sobre toda a minha relação afetivo/participativa com a sociedade.

Mesmo que eu queira fugir, meu compromisso, desde que eu nasci e até eu morrer, é com a verdade. Por mais que ela cuspa na minha cara, e ela o faz, por mais que ela me irrite constantemente, e ela não perde a chance, e por mais que eu queira fugir dela, ela está bem aqui na minha frente.
Por esta evidente maneira, de tempos em tempos adquiro um problema a ser resolvido: a falta de paciência/vontade para com as pessoas do planeta Terra em geral ( incluindo a mim próprio). Sinceramente, fico meio que sem ação ao deparar-me com semelhantes fatos. Comparo àquelas doenças que só curam-se após dedicado repouso e, mesmo assim, deixam cicatrizes inesquecíveis ao portador.
Só quero deixar aqui o meu apelo para todos que me conhecem/convivem comigo. Não que seja este o real intuito deste blog, entretanto não sei mais qual é. Uso esta postagem somente para demarcar. Efim, vamos ao tal apelo:
Peço, encarecidamente, que considerem toda hostilidade da porta pra lá (sim isto foi um trecho de Loser Manos), para assim conseguírem lidar com minhas amarguras e minhas crises de necessidade de atenção. Mesmo sabendo que o que eu realmente quero é "brilhar em cima de meu palquinho", não acho tal desejo indigno. Acho-o normal, humano, edificante. Afinal de contas, tem tanta gente por aí que só ficaria feliz com muito dinheiro ou com muita gente obedecendo-a.
Até um cachorro tem o instinto de defesa, aliás, TODO animal vem com o instinto nato, portanto, o meu não é falho - considerando todo meu ser selvagem. Não quero ser o ser mais correto do mundo, muito pelo contrário, quero assumir meus erros e minhas falhas para, desta forma, conseguir viver em harmonia completa com eles e comigo próprio.
Seria pedir demais? Se fosse, pra quem seria o pedido demasiado?
Pra mim ou pra você ?

16/07/2008

nojinho

- de praça, de bosque, de sorriso, de abraço, de musica animada, de balada, de barzinho, de violão, de sol, de frio, de poeira, de amarelo, de rotina, de exercício, de leis, de estudar, de sistema, de forró, de comédia, de reuniões, de gentileza, de sociedade, de unidade, de pão, de leite, de pizza, de conselho, de televisão, de internet, de criança, de adulto, de shopping, de espelho.

- Enfia o dedo na goela e vomita.

04/07/2008

Entrelinhas de um Amor Puro

"O que há dentro do meu coração
Eu tenho guardado pra te dar
E todas as horas que o tempo
Tem pra me conceder
São tuas até morrer"
De onde vem isso? Que capacidade adormecida? Que novo estágio é esse? Pra qual etapa passei? Acabei de chegar da solidão? E ela, pra onde vai, então?
"E a tua história, eu não sei
Mas me diga só o que for bom
Um amor tão puro que ainda nem sabe
A força que tem
é teu e de mais ninguém"
E tu, quem és? Onde exatamente estás agora? De que gostas, de que desgostas, de que poderias gostar? Até qual ponto és igual a mim? Por quais diferenças clamarás? Reclamarás?
Existirás?
"Te adoro em tudo, tudo, tudo
Quero mais que tudo, tudo, tudo
Te amar sem limites
Viver uma grande história"
Obrigado. Agradeço-te e a Deus por reviver isso dentro de mim. Há quanto não vinha esse calafrio, essa vontade de ver, e de não ficar pensando no que fazer após nos vermos. De deixar pra depois. De sentir agora, de viver depois.
De ser pisciano.
"Aqui ou noutro lugar
Que pode ser feio ou bonito
Se nós estivermos juntos
Haverá um céu azul"
De onde quer que venhamos, pra onde quer que iremos, dizer que bastamo-nos um a outro é obsoleto, contudo dizer que pela vontade de amar-nos, meio caminho já fora andado
é certo.
"Um amor puro
Não sabe a força que tem
Meu amor eu juro
Ser teu e de mais ninguém
Um amor puro"
O tempo urge, a vida passa, vives, cresces, mostras-me de tudo o que és capaz. E eu admiro, e preparo-me, como se arasse a terra para o plantio, é como se eu estivesse pronto pra ser uma semente de ti, florescendo em mim. Paixão ante amor, amor ante grande história.
E nós.
E o mundo
E o amor
Puro.

02/07/2008

Fútil

Vazio.
Mentira, nem é.
É tipo um "reset".
É quando conscientizei-me,
de quem tem as rédeas.
Ninguém tem.
É quando tudo o que quero,
é estar só
e muito bem acompanhado.
O único par que me interessa,
é quem não me indispensa.
Sacas?
É como a Adriana canta:
"Na solidão,
eu descobri
que nada sei de mim"
A da Rapaziada,
não a Calcanhotto
(que fique claro).