28/08/2008

Reclamando a dorzinha pequena

Ai, sabe? Eu detesto escrever por obrigação, assim como eu não consigo ser objetivo. Mas eu detesto tanta coisa e faço, sabe?
Ai, além disso também, me dói ficar abrindo esta maldita janela de edição textual e ficar minutos a pensar.
Ai, sem contar que tudo o que sai são idéias vagas sobre algum conceito de minha vida que desgosto.
Eu escrevo pra reclamar
Ai, e quando eu finjo tentar conseguir ser poeta, ou seja lá o que for ser poeta ou ser escritor.
Ai, mesmo assim eu fico pensando e me surgem as idéias. Coisinha ou outra que me dá vontade de postar, daí eu penso: "pra quê?"
Ai, gente, ter um blog é meio que um tiro no escuro, sabe? Mas tudo bem, tudo azul... Pra quê leitores?
Ai, pra quê platéia pro ator, pra quê aluno pro professor, pra que parceiro pro sexo?
Ai, Meros Devaneios Tolos tornaram-se -- ou sempre foram -- um monólogo numa sala vazia, uma aula para as paredes ou uma punhetinha de banheiro.

08/08/2008

É só inveja!

Invejo muita gente.
Não por suas posses,
idéias ou ideais.
Invejo essa gente,
por coisas banais.

Queria conseguir
acordar cedo.
Queria saber como
esquecer as mágoas.
Queria palavras.

Invejo pessoas
que levam a vida.
Que empurram de leve,
escutam e relevam,
apanham e aprendem.

Invejo os poetas,
invejo os frios.
Invejo os santos
e os putos também.
Invejo os opostos.

Queria saber
usar meus conceitos.
Falar no direito
de me expressar.
Quero ensinar.

Vinde coisas boas.
Venha bondade das coisas.
Mostrem-me onde estão,
para que, mais normal,
de invejoso passe pra são!