10/05/2009

Intitulável.


Pode parecer que eu não me lembre que foi você que aos 3 anos me fez apto a ler. Também pode dar a entender que não foi por sua causa , por ter gravado a minha fala em uma fita cassete, e eu ter me impressionado tanto com o "ouvir"; que eu goste tanto de me expor.
É compreensível que pareça que eu me esqueci da fantasia carnavalesca de Cebolinha na segunda fase, e a de Chapolin na terceira, do aniversário de três com o bolo do Bart Simpson e minha cara sobre ele - ainda rio de lembrar - ou o de quatro anos das Tartarugas Ninjas, ou até o de cinco naquele salão enorme, junto com o primeiro da minha irmã, e  os enfeites que você mesma preparou da Turma da Mônica.
Não, não apaguei da minha mente você me levando ao SESI a pé no prézinho, de quando perdeu-se meu cartão de entrada, de mim dançando "Azul é a cor do país", ou da minha formatura da terceira fase, onde apareço coçando a bunda no vídeo.
De voltar todos os dias da escola e você me deixar no quarto assistindo TV Cultura, de você cantar as músicas do Castelo -tim-bum comigo ( aliás, de ter me dado o CD), das festas juninas que você foi e me viu dançar com as menininhas que eu gostava, de quando você fez "A feira do Livro" na escola e todo mundo sabia que era a minha mãe , e vendendo livros!
Há de se recordar também o começo das minhas aulas de teatro, e você insistindo que não, e eu que sim! E você entendendo que sim! De todas as peças que você foi assistir, rir, chorar e me encher de críticas depois. De quando você disse: "Ou vai pro SENAI ou vai trabalhar!" , de quando você pediu 25 reais pra tia pra eu poder fazer a prova da Escola Agrícola, de você ter sofrido comigo na época da WS, de você ter me criticado, censurado - obviamente pro meu bem. 
Principalmente de você ter me apertado contra a parede aquele dia pra eu contar a maior angústia que eu carregava comigo, de ter chorado tanto, de ter tirado o meu chão e, principalmente, de NÃO TER recusado a me dar um abraço apertado e cheio de amor, apesar de eu ter feito algo completamente abominável ao seu julgamento. Também da crise que passamos por esse ano passado, por eu ter parecido distante, preso em algum problema. 
Todavia,  você me arrastava pra frente mesmo que pra isso tivesse que mexer lá dentro do meu psicológico e ser dura, talvez seria a única maneira de você me entender. E tudo me machucava, pior: machucava a VOCÊ que é a pessoa que eu nunca quis ver mal! E daí no alto do nosso desespero calado, cada um em seu canto, tivemos conversas, você se abriu , contou da sua preocupação com o julgamento alheio e eu disse o mesmo. Mas chegamos num consenso e não precisamos tocar no assunto de novo.
Não mais, porque você me entende e me completa. Sem você eu não teria sequer a capacidade de sair do chão e sonhar adiante. Eu sou um reflexo teu no espelho e sou eternamente grato por você ter me dado tudo o que você tem de melhor: seu caráter, sua gana, sua emoção aflorada, sua compaixão, sua fé e seu amor.
Tanta coisa passou , tanta coisa acontece e tanta coisa há de chegar. Eu só quero que você saiba que eu virei adulto e consequentemente chato, e deixo passar boas oportunidades de falar boas coisas pra você. Aqui no meu refúgio eu consigo concatenar melhor as ideias pra te dizer tudo o que preciso. 

E eu só preciso dizer que te amo imensamente , mesmo não sendo metade do amor que você tem por mim, e que a cada passo que dou penso em você e em qual conselho seu seguir. Óbvio que não é só um domingo qualquer pra homenagear-lhe. Fica a intenção.

Eu te amo Sueli Aparecida de Oliveira Aglio

02/05/2009

Sobre mim enquanto Ser, Assunto próprio e Tipo psicológico

Não é mais dúvida pra mim e pra ninguém a necessidade extrema que eu tenho de autoafirmação. Ontem tive um momento bacana no que diz respeito a isso. Eu estava há tempos com palavras entaladas na goela, precisava tirá-las de lá.
Palavras essas, referentes a mim. E que atire a primeira pedra a pessoa que ao conhecer amigos em potencial, ou os mesmos de sempre, não regurgitam enunciados e enunciados sobre si ! Sou bem do tipo, não fujo à regra, invejo quem foge.
Então tenho que vir pra cá, meu velho blog de guerra falar de mim. É... não mais!... Ok... não mais tão frequentemente. Sabe o que é? Eu me irritei com o fato de ver que todos os textos daqui eram sobre me , myself and I ! Daí parei, surtei  - pra variar -, conheci pessoas, passei por situações e voltei pra cá. Então pra fechar com maestria eu vou falar realmente sobre mim ( e finjam que acreditam que é a ultima vez!)

Certa vez, bem no meu começo de orkut, eu encontrei Carl Jung e sua psicologia. Ele divide os seres-humanos em 16 tipos psicológicos predeterminados, achei demais e fiz o teste. 
Não me aprofundei em estudos sobre a teoria por ser um preguiçoso, o resultado me bastou. Eis aqui o teste
Eis aqui também, pra quem realmente se interessar por mim, meu tipo psicológico dentre os 16: o ENFP


E prometo ser mais lírico na próxima.