31/12/2012

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"

Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé?
Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater?
Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?

So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou.
There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui.
All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...

So I keep searching                                  Então eu continuo procurando
For everything I’ll ever be.                         Por tudo que um dia ainda serei.
Never seem to learn                                  Nunca pareço aprender
What I can hardly ever see.                       O que eu posso dificilmente ver.

This is my life, this is my dream,                  Essa é minha vida, esse é o meu sonho,
This is my belief, it’s my fantasy,                 Essa é minha crença, é minha fantasia
I still haven’t found what’s gonna set me free          Eu ainda não encontrei o que me deixará livre.
This is my year of living dangerously             Este é meu ano de viver perigosamente.

Now I can’t turn around:                             Agora eu não posso voltar:
What’s done is done                                   O que está feito, está feito.
There are words that you can’t take back      Existem palavras que você não pode retirar
When you say them to someone                   Quando as diz para alguém.
(What’s done is done)                                (O que está feito, está feito)

Now you sound like a Redwood falling           Agora você parece uma árvore caindo
With nobody around to hear,                      Com ninguém em volta para ouvir,
I’m out of here you’re stalling                      Eu estou fora daqui e você despenca.

When I’m standing on the freeway               Quando eu estou na estrada
With my hair blowing in the wind,                 Com o meu cabelo soprando no vento,
Maybe one day soon I’ll make it                   Sinto que talvez algum dia eu chegue lá
Where I’ve never been                               Onde nunca estive antes

Ain’t gonna stop for nobody, no one             Não vou parar por ninguém,
Ain’t slowing down it’s not my problem now    Nem ir devagar, não é meu problema agora
Ain’t nothing left you can sell me, tell me       Não há mais nada para você me vender, dizer.
I’ve done my best, aw feet don’t fail me now  Fiz o melhor, que meus pés não falhem agora.



Feliz 2013!

22/12/2012

Um sentimento é um filho.


A um sentimento eu atribuo características humanas. Pelo menos aos meus sentimentos, não posso falar pelos outros.
Estou dizendo especificamente do amor em sua concepção, gestação e parto. Isso acontece o tempo todo, do mesmo modo que o tempo todo nasce gente no mundo. Não alcancei a marca dos 7 bilhões porque eu ando trabalhando - não sei por quanto tempo - com a linha de ser seletivo. Só que pessoas abandonam recém-nascidos todos os dias por aí, até alguém encontrar e dar o nome de Vitória; e é nessa metáfora que ando seguindo com os meus amores: eles nascem mas eu não pego pra criar. O preço do leite da liberdade tá caro. Ainda mais que uma coisa que tenho dificuldade é de sair da minha zona de conforto, daí vou abandonando vitórias até que sejam encontrados por outras pessoas por aí.
O caso é que esse sentimento/criança eu resolvi alimentar, deixar crescer. Tá na minha cara que vai dar trabalho, basta olhar por aí o quanto pais reclamam de criar os filhos. Eu tinha ignorado por um bom tempo essa vontade de levar adiante, mas me desestabilizei, confesso, por vontade própria.
O risco que você me faz correr é o maior em toda a minha vida. E me faz sentir vivo! Intensamente com uma corda bamba, é a sensação de adrenalina e pavor que uma mãe tem ao deixar seu filho adolescente sair de madrugada: "Será que chega? Será que tá bem, que tá vivo?" Isso é apavorante, eu sinto a cada dia que tudo pode ruir.
Depende de mim ou não continuar alimentando este amor, para ele chegar na fase adulta. O problema é saber se lá eu ainda serei reconhecido apenas como um pai.


17/12/2012

Adeus ano velho.

Já podem encerrar 2012. É verdade... eu deixo de cortesia esses 10, 15 dias que faltam. Foram tantos acontecimentos emblemáticos que tá me deixando até com preguiça me preparar para outros. 

Tudo vem para selar, tudo vem para colocar um carimbo de "taí algo que comprove" E esse ano foi assim: eu me apaixonei e desapaixonei, mais de uma vez por mais de uma pessoa; fui tentado, subjugado a agir contra meus princípios e só não cedi por estar muito feliz com o lugar que já cheguei; hoje mesmo quase joguei tudo pro alto em nome de arriscar algo que claramente não traria futuro; fiz amizades, das mais variadas, pessoas que significam coisas opostas para mim: gente que chegou para me mostrar outras perspectivas no profissional, bem como os que surgiram para me mostrar o que é a vida sentimental; presenciei muitas cenas, fiz parte de uma plateia bem seleta, com o prazer de ver o autoconhecimento surgir e perceber como lidam com isso; adquiri novas vontades; consolidei novos e velhos sonhos; fui (o que eu considero) eu mesmo o tempo todo, doesse a quem fosse, não fiz (tanto) tipo e me sentia feliz deitando a cabeça no travesseiro; por essas e por algumas que esqueço no momento, encerrem logo este ano.  

Tem uma ou duas coisas que me resta fazer - unicamente para cumprir agenda - mas de resto, pode ir embora e que venha the year of living dangerously.