Pular para o conteúdo principal

Até morrermos, a vida é um texto cheio de vírgulas, travessões e reticências...

Talvez um dos prazeres mais inenarráveis da vida de um homem de vinte anos seja ficar em casa sozinho numa noite de sábado, comendo pizza de quatro queijos, bebendo coca-cola, sentado em frente do computador, com um fone de ouvido dos grandes, cantando bem alto Adriana Calcanhotto, Mart'nália, Seu Jorge, entre outros; além de sonhar com o amor distante e possível um dia desses e rir feito bobo da própria vida e entender porque as mulheres valorizam tanto esse tipo de coisa - depois de uma semana que começou com uma despedida - e um grande "não sei" pra resposta de toda pergunta, e a vontade quase que inexplicável de mandar essa inabilidade de lidar com palavras difíceis, líricas e estilísticas ir se danar, e de escrever um texto - metaforizando a vida real - sem um ponto final que seja...

Comentários

Letícia disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Letícia disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Letícia disse…
Fiquei algumas horas na cama ontem, pensando na vida e no rumo que eu queria tomar, e com certeza usar um blog (que nem é meu) como válvula de escape, por sentir pena de mim mesma, não é o que eu quero para mim. Assisti recentemente a um programa de entrevista, cujo entrevistado era Washington Olivetto, publicitário, que sofreu um seqüestro em 2001, ele disse “Eu fui uma vítima, mas não sou uma vítima, tive 30 segundos para decidir como iria seguir a minha vida daquele dia em diante, e eu escolhi por não ter pena de mim mesmo...”, ou algo similar. Pessoas que vivem ou viveram momentos bem mais trágicos que o meu, decidiram lutar pela vida, optaram por dar um propósito a sua existência, acho que sou capaz de fazer o mesmo.
Acredito que independente da idade de um homem, quando ele se encontra sozinho, apenas na companhia de seus pensamentos, sob efeito de uma bela e inspiradora trilha sonora, e consegue traduzir em palavras seus sentimentos, estes merecem ser lidos, porque é a representação mais fiel de quem esse homem é; saber o que uma pessoa sente e tentar compreende-la é algo que todos deveriam ser capazes de fazer, abdicar um pouco do egocentrismo e dedicarmos alguns minutos para ler e aprender um pouco mais sobre o sentimento alheio é algo inexplicavelmente revelador, talvez só assim seja possível descobrir quem na realidade somos. Hoje descobri porque gosto tanto de ler os devaneios de Marcelo Aglio, mesmo o conhecendo tão pouco, leio porque cada vez que me identifico com algo que é dito, eu me sinto menos sozinha, e mais segura de quem eu sou e do que sou capaz.
Eu poderia dizer novamente, as idéias que me passaram pela cabeça ou os momentos que eu revivi ao ler esse post, ou os outros, porém, hoje quero apenas agradecer por me lembrar que sempre haverá perguntas que não terão respostas, e não há palavra que possa explicar o quão frustrante isso pode ser, mas às vezes o melhor é continuar a viver, porque a vida não acabou, portanto sempre haverá a possibilidade de usarmos uma vírgula, um travessão ou uma reticência, e continuarmos a história.
Ivete disse…
Gosto dos teus textos. É tão raro ver homens jovens expressando sentimentos assim...Parabéns!
Ivete disse…
Adorei tua visita, teu comentário.Obrigada! Fez-me sentir importante! Mas volto a dizer-te,mesmo que as pessoas possam esquecer de te falar: escreve sempre como tens feito, com coração, com sentimento e com esta clareza peculiar em ti.É mesmo muito bom ler-te!
Beijinhos
Rebecca Garcez. disse…
é, celo! depois de viver o que vivi hoje, passei por aqui como quem não quer nada, li suas verdades e... pode ter a certeza de que depois delas, subi mais uns 3 degraus da minha escada!

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.