31/03/2010

Brio epifânico

Qual é a sua?

A minha é do choro, 
do cantar da alegria,
da dúvida e do fracasso.
A minha aplaude em pé
e cai ao chão quando sofre.
A minha é alvo de outrem:
das línguas, das mãos,
das mentes malvadas
dos corações puros.

A sua não sei,
mas a minha é da dúvida,
da pertinência e até
da ambiguidade.
A minha não tem moldes, 
desenha o próprio.
A minha é covarde, 
como tem de ser.
E se enche de coragem,
aleatoriamente.

Desconheço o tempo da sua
porque o da minha não tem,
migra, evolui, sai de si
volta pra casa e chora.
A minha cresce e aprende
conquista e demora
Ela é drama e tragédia
romance e ação
suspense e terror
só que principalmente
comédia.

O amor da sua, quem sabe?
O da minha existe,
ainda que eu duvide, 
ainda que não percebam,
ainda que vacile,
ainda que permaneça,
ainda que evapore...
O amor da minha existe
e ama cada um que merece
e até os que não.

Ainda não sei sobre sua honra
Da minha pareço bem saber.

5 comentários:

Marília Monteiro disse...

Gostei. Gostei mesmo e de verdade, como já te disse.
A sua eu sei, é a sua e só.

***Gisele*** disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
***Gisele*** disse...

Fascinante, não são todas as pessoas que conseguem se derramar em palavras, escancarando seus sentimentos sem perder a ternura.

Lina. disse...

"...Todo ser humano
pode ser um anjo"

Fê Colcerniani Justo disse...

É.... a sua é humana... e não há nada mais belo nisso... Beijos e boa semana!