Pular para o conteúdo principal

Transição despercebida.

        Talvez haja uma lacuna na divisão etária de nossas psicologias e sociedades, em consequência da priorização pelo desenvolvimento abrupto que se dá em determinada idade. É uma faixa que chega e perdura pouco - pouquíssimo - e que só quando ela passa, percebemos-lhe. Para alguns, dura um ou dois anos, para outros uns cinco e raramente é infinita. É a pós-adolescência.
        Esta fase principia-se – ao menos em nossos moldes sociais – com os dezoito anos aproximadamente. É quando o individuo tem consciência de que apenas 25% das coisas babacas que faz efetivamente têm fundamento e respaldo. Trabalhar não é mais pra comprar a calça jeans no fim do mês, ou pra dar uma ajudinha em casa, não só isso, ao menos; é necessário o esboço consciente do que se planeja profissional e economicamente no mínimo para os próximos cinco anos. Não se ganha mais dinheiro para ir à balada e torcer para o juizado de menores não barrar na porta, o que pode até garantir alguma diversão, nem se bebe por afirmação social, para provar que você é menor de idade e sabe sim a definição de um bom porre, ou até como dar trabalho para seus amigos no fim da noite. Saímos, bebemos, dançamos; então, por mera conveniência psíquica nesta fase.
        Parte dos pós-adolescentes é recém formada no Ensino Médio e enfrenta um embate: o estudo não é mais uma obrigação. A maioria dos empregos com alguma dignidade irá lhe aceitar com o certificado de segundo grau, todavia nem sempre este quase adulto estará feliz com isso: então resolve tentar uma Universidade, um ensino profissionalizante, uma especialização etc. Uma das crises de personalidade começa a existir neste ponto, já que durante quase duas décadas o individuo tenta concatenar gostos e valores para influenciarem no direcionamento de sua formação. A problemática enfrentada, contudo, é a de que quando se conhece o objeto de estudo a fundo, descobrem-se suas fragilidades e seus pontos não interessantes, este é outro trauma pós-adolescente. Exemplificando: Paulo sempre gostou muito de Informática, até ingressar num curso superior de Análise de Sistemas “por ser da área de computação, né?”. Ledo engano. Todo o delimitado é importante, a generalização por área é perigosa. Definitivamente é algo mais – chato ou legal – do que “área de computação”.
        Outro fato ímpar ocorre na pós-adolescência, podendo até ser o acontecimento mais marcante e único da vida. Trata-se da consolidação de amizades. Quem é seu amigo ainda, mesmo após convivências forçadas no ambiente escolar, ou fora dele, acredite, o faz porque quer e gosta de você – por mais incrível que possa parecer. Nessa idade sua personalidade já é consolidada e repleta de aspectos positivos e negativos, e quem consegue desenvolver um interesse em sua companhia está cônscio dos prós e dos contras.
        O sexo também passa a ser encarado de forma diferente. Entende-se o porquê de fazer sexo e não se entende o porquê de querer amar e ser amado. O prazer é mais controlável e não mais contido. Namoros são a base do que você vai entender um dia como casamento – isso se já não é casado e entende há muito tempo -, deixando de ser “estar com a pessoa porque me sinto bem”. Ora é um jogo de conveniência que envolve sexo, ora é um sexo de conveniência que envolve jogo.
        Há alguns fatores secundários, como o modo que você passa a encarar sua família, sabendo que está a poucos passos de constituir a sua própria; da dor de cabeça que dá dormir só quatro horas por noite; de como se pode conhecer gente muito legal perto de você e gente muito chata longe de você, apesar de sempre ter pensado ao contrário; que o conhecimento leva sim a algum lugar, mesmo não se sabendo ao certo que lugar será este. E que você vai engordar (ou emagrecer, pra quem não quer) mais, não adianta.
        Por fim, a pós-adolescência só é de fato sentida quando se esvai. O devir encarrega-se de eliminar velhos conceitos e de fazer-nos continuar a fluir. No dia em que você reclama por estar sol, ou por chover. Quando você não se importa mais em acordar cedo e enfrentar um dia todo de trabalho seguido de uma noite de estudos – não necessariamente nesta mesma ordem – por saber que “a vida vai ser sempre assim”. A partir do momento em que o redemoinho de obrigações do dia seguinte não tira mais o seu sono porque “sempre tem coisa a se fazer”. Quando o dinheiro não é digno, mas sim um objeto de sobrevivência...
        Você já é adulto e saiu de uma fase de transição. Resta-lhe fazer qualquer coisa para que sua própria vida pare de incomodar.

Comentários

Marcelo Aglio brilhantemente em um de seus melhores textos. Só digo isso.
Lina. disse…
Bem apropriado o seu comentário sobre amadurecimento, nego. Pois, taí um fenômeno que não deixa de acontecer contigo; - eu sei que, naturalmente, isso acontece com todos - mas quando me refiro a você, tento ilustrar o sentido mais bonito desse contínuo processo, pelas demasiadas proporções em que se dão à sua persona.
Enxergo-lhe um ser gigante, querido... Desses que nós passamos a vida lembrando quando encontramos ou lastimando quando não temos essa citada sorte. E o que mais me fascina é que você não para de crescer!

Sabe o que eu acho?
Quando você chegar no topo, por continuar crescendo, vai se derramar pelas bordas. E não vai parar nunca!
Bárbara Araujo disse…
As coisas não se deterioram, só se modificam.
(:

Por isso gosto de você e dos seus textos.

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.