Pular para o conteúdo principal

Professar

Caso algum de vocês ainda não saiba, sim, sou professor. Não há o que considerar publicamente (ou no blog) por enquanto, então, só vou deixar meu discurso de formatura, o qual acreditei ser... interessante.

Senhoras e Senhores, boa noite.

Quando desejei ser o orador de minha e de outras turmas da faculdade de educação, comecei a refletir sobre o que de fato significa discursar a vocês num momento deste. Mais do que uma solenidade, acredito que para a maioria de nós, esta formatura seja algo como um... Descarrego.
Não que tenhamos passado por um martírio ou tortura durante estes anos de formação, não também, que neste momento estejamos completamente absolvidos da necessidade constante de se dedicar com afinco ao estudo e à expansão de conhecimento. Este alívio pelo qual passamos, vem em grande parte dos nossos sentimentos mais intrínsecos e de nossos sonhos mais absurdos.
         E o que tem de absurdo sonhar? Ora... Seria hipocrisia dizer do alto da racionalidade que é plenamente comum desejar, nos tempos em que nosso país se encontra; ser professor.
Entenda-se: esta é uma das, se não, talvez, a, profissão que exige ensino superior oferecendo o menor salário.
“Mas professor reclamar de salário é figurinha repetida”.
Somos obrigados a suportar jornadas de trabalho estafantes, que muitas vezes comprometem a nossa saúde ao longo dos anos.
“Mas professor fica doente porque quer”.
Nosso trabalho não é valorizado pelos alunos, fato o qual, apesar de entristecedor, ainda é compreensível, frente à mesma desvalorização que sofremos por parte dos representantes públicos e de diversas pessoas da nossa sociedade. Frente também ao preconceito do qual somos vítimas:
“Mas... você vai ser professor?” ou “Você é professor? Mas trabalha com alguma coisa?”
Entendo que estejam decepcionados, talvez o papel de um orador seja o de animar e conduzir a solenidade à plenitude da alegria e da autorrealização. Contudo, é exatamente o que estou fazendo.
Colegas formandos, atuais e futuros professores, ignorar as dificuldades e encará-las simplesmente com misantropia, é uma atitude ignorante e, por consequência, cômoda.  Animar-lhes com palavras lustrosas aqui e hoje, sabendo que semana que vem muito de vocês encararão uma quinta série com 40 alunos, sedentos pelo aprendizado, mas também pelo prazer de transgredir regras, seria crueldade da minha parte.
Haja vista os tristes, porém realistas fatos, crueldade maior seria este discurso acabar por aqui, subentendendo-se que nossa escolha profissional foi errônea e não é nada gratificante. Sei que se agora eu solicitasse de vocês que puxassem pela memória os seus professores de antigamente, a maioria das recordações viriam daqueles que em algum momento nos decepcionaram ou coagiram a aprender. Porém, decerto que ao menos uma lembrança será positiva. Daquele ou daquela, que no momento correto proferiu uma palavra amiga, um incentivo bem cabido, ou ensinou livre de autoritarismo e preconceitos.
Estes professores ou professoras que atravessam o nosso caminho como que por acaso, e têm a capacidade de alterar completamente a nossa percepção sobre determinado assunto, além de conseguir que tomemos gosto por seus ensinamentos; conseguem que ansiemos em descobrir mais.
Pessoas assim que passaram por nós não só durante a educação básica, mas por aqui também, nesta faculdade. Durante os anos mais confusos e cansativos dos quais disse antes que estamos nos descarregando. Apesar de tortuoso destino, somos produtos de uma formação acadêmica na qual pelo convívio e observação, aprendemos com os bons professores e conosco em nosso cotidiano. Anos de desespero, de raiva, de incertezas, mas de muitas risadas e esperança. De fato, foi daqui que absorvemos os conceitos e as técnicas para o “ensinar”, entretanto, o que seria desta nossa caminhada sem os amigos que conquistamos e estamos levando para o resto da vida? Amigos muito semelhantes, que a despeito de toda a pressão cotidiana, mostram-se compreensivos, mesmo com as freqüentes discussões sobre “bobeira qualquer”. É a amizade!
         E é daí que parte o meu apelo, caros colegas, não façam estes anos todos serem em vão. Encarem de cabeça erguida os empecilhos que surgem a todo tempo, e que muitas vezes conseguirão nos tentar a não levantar da cama para ir dar aula cedo. Vamos todos procurar meios de resolvê-los, a fim de não anular tudo o que vivemos até aqui. Sem jamais, nos esquecermos de algumas atitudes fundamentais, como a de não limitar nossos conhecimentos simplesmente à sala de aula. Não é pecado ou ofensa alguma utilizar-se desta experiência sejam pra quais fins profissionais se adéqüem. Todavia, aos que desejem realmente a docência, não há muito a se complementar. Apenas um conselho originado de uma constatação. Jamais deixem de ser humildes, de aprenderem com os alunos, de pesquisarem o que não sabem e de não se utilizarem de um poder figurado de professor para oprimir e satisfazer o próprio ego. Não passem adiante o preconceito e opressão capitalista e intelectual que nós mesmos sofremos. Acreditem sempre no que estão fazendo e ensinando, pois quando deixarem de fazê-lo, não haverá mais sentido no descarrego que estamos vivendo hoje. O de finalmente ter um mundo de possibilidades para ensinarmos.

Muito obrigado.

Comentários

Eu estava lá pra ouvir. Foi bonitão mesmo.

Mas tem muitas palavras difíceis pra realidade da prole ali situada.

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.