Pular para o conteúdo principal

Antecipação da partida.



Junto com as chaves e a xícara de café, quiçá o último gosto amargo que sentiria naquele lugar, ele deixou alguns escritos. Para fazê-los sintetizou o que havia sido sua vida até agora. Escrevera as palavras no alto da frieza, mesmo estando com o coração dilacerado; ia embora naquele momento com um sentimento de derrota. Ele estava indo como um perdedor, porque por mais que tentasse as coisas não seriam nunca do jeito que ele imaginou.
Dentre os desabafos daquele papel estavam os motivos, a falta do diálogo talvez fosse o principal. "Por não tentarem me compreender, por não virem conversar comigo".

Olhava para o passado e percebia "Poxa, pela primeira vez na vida eu tô feliz de verdade. Vocês têm noção o que é ver as pessoas vivendo as coisas? Irmãos, amigos, primos.. e você sempre de lado? Conformado-se que ia viver sozinho? Que seu estado permanente é este, que nasceu para estar deslocado e usa isso como desculpa pra ser tão aheio às pessoas. Mas não é assim, nenhum ser humano é uma ilha." 

Detestava se colocar no papel de coitado. E naquele momento, naquele trago de cigarro fora de casa pra não deixar o cheiro vinha a vontade de não deixar a insegurança dominar: a verdade é que nunca se achou bom o suficiente pra alguém. Passou a vida ouvindo que incomodava quando abria a boca, que aquilo por ele lutava era inútil, que seu sonho é coisa de vagabundo, ou até se olhar e perceber que nunca seria bonito o sufiente. Agradar seria luxo. Mesmo assim...

Mesmo assim... Um dia deu certo. A vida prega peças, e faz dá certo. "Tanto que quando dá certo... eu me perco! Eu não sei como agir, eu surto em determinados momentos."

E ele sempre fingia não se importar. Amarrava os tênis e fechava a mala pensando:

"Mas é isso...?
Sair e pronto?
Ficar o dito pelo nao dito?
É isso ou conviver dando murro em ponta de faca?
Eu aprendi a me fazer feliz .. por mais egoísta que isso possa soar."


Ele chegou no ponto: Egoísmo. 
Conforme vinha no bilhete "Percebo a demonstração que os faço infelizes... OK, mas e eu? É como se eu tivesse tido OPÇÃO. E eu nao quero nem imaginar que tipo de pessoa eu seria se vivesse uma mentira, sinceramente, eu seria uma pessoa do mal. Eu ia ter tanto ódio por nao ser quem eu queria, que eu destruiria os outros, segregaria, seria preconceituoso, arrogante, invejoso...num nível muito maior daqueles que agridem, machucam. Eu nunca fui um cara da violência; mas todos estão cansados de saber que quando a raiva me domina a minha vontade é falar e calar fundo, pra causar traumas de modo que a pessoa nunca se esqueça de quanto uma palavra pode machucar."

Se problema é a merda do: " Mas o que vão dizer..."
Então, aquelas malas que ele carregava para o carro não significavam um abandono e muito menos que nunca mais ia falar com ninguem, mas iria viver da maneira que julgava honesta, sem precisar mentir nem ocultar nada a ninguém.


Não que ele pudesse dizer que nao teve melhoras, justiça seja feita, porque já tinha ouvido os desejos de felicidade, que o julgamento cabe a Deus, etc.

Mesmo assim, dava partida no carro e acenava se sentindo o maior derrotado da face da terra. E que se tivesse coragem, poderia ter pedido socorro antes de tudo chegar naquele pé, ainda que não diretamente, ainda que em um de seus "bilhetes".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

OLHA

Nesse blog não relato coisas que "só acontecem comigo", mas tô disposto a escrever um troço aqui, e quem não curtir pode clicar naquele x vermelho lá. Porque o blog é meu (tá, agora ficou parecendo outra coisa), enfim:


 Tô aqui pra deixar claro que sou contra a censura, mas a favor do respeito, por isso mesmo digo: crianças, não paguem suas contas em dia.   Sério, o CEUNSP faz uns boletos mucholocos que contam fim de semana como dias úteis (Gente, eles encontraram utilidade no domingo! Isso é sacrilégio!), daí seu boleto sempre vence 1 ou 2 dias antes do quinto dia útil do resto do Brasil. De boas, tô até acostumado a pagar sempre atrasado. A questão é que meu pagamento caiu hoje, na mesma data de vencimento do boleto de setembro, e eu pensei em uma vez na vida ter a capacidade de não pagar juros e taxa de conta vencida. Fui lá, tirei a grana e fui à faculdade quitar minha dívida com a sociedade (ou ao menos, metade dela). O fato é que "não recebemos mensalidade antes do…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…