Pular para o conteúdo principal

Uma palavra pela outra.

-Jura!?
- Juro. É tudo o que eu sempre quis.
- Tipo o quê?
- Me dá carinho, me dá atenção, me faz rir.
- Mete bem?
Espanto:
- Em !?
Cara de coisa mais normal do mundo:
- Perguntei se faz o serviço direito.
Alteração nas sobrancelhas:
- Eu aqui falando de amor e você vem me falar em putaria?
Serenidade:
- É lógico que não. Desde quando sexo é putaria? ... Tá, eu entendo que vulgarizam isso às vezes...
Interrompe:
- ... Ainda mais quando usam termos chulos, feito "meter"
Pequena alteração:
- Ai! Enjoei desse seu puritanismo, sabe!? É só uma palavra diferente pra designar a mesma coisa. Se eu tivesse falado trepar, foder, comer, pimbar, transar... daria no mesmo!
- Chega!
- Chega nada! ... Do mesmo jeito que se eu tivesse perguntado "relaciona-se bem?" "executa o ato com maestria?" Dá tudo no mesmo.
Pequena pausa, réplica:
-Eu só não te dei liberdade pra tratar o MEU sexo por esse termo. O teu você trata como quiser, o meu não.


Marcelo entrou na estação de Metrô do Anhangabaú. Olhou pro celular "16:02", tinha tempo. Procurou pela fila do lugar em que se compram os bilhetes pro metrô. Vazia. Pegou com cuidado a carteira do bolso da frente e contou moedas: não tinha R$ 2,70 certeiros. Sobrava apenas a última nota de 50. Com mais cuidado ainda, aperta-lhe na mão, é o próximo a ser atendido.
- Eu quero uma.
O homem do guiché tinha uma expressão séria, inabalável, de repulsa e total vontade sair correndo daquele lugar. É claro que ele queria uma, ou duas ou tanto faz. Passasse o dinheiro de vez, ou ele seria obrigado a falar quanto custava? Viu que seria, apesar de vistosos e gigantescos letreiros informando o valor da passagem de metrô. Apesar de todo mundo em São Paulo saber quanto custa UMA passagem. Mesmo assim, o rapaz na frente dele mantinha a mesma cara vazia e de sorriso forçado. Devia ser do interior... é lá que riem assim feito idiotas. Deu-se por vencido:
- Dois e setenta.
Pronto! Tudo correra como o planejado. Marcelo triunfante pegou os cinquenta e passou pelo pequeno espaço. Agora seria a hora de soar simpático e, meio de viés, pedir desculpa por não facilitar o trabalho do cara, obrigando-lhe a contar quantas notas fossem necessárias ao devolvê-lo a diferença. Mas nem tudo sai como planejado, houveram lapsos na fala do rapaz:
- Eu só to sem troco, cara...
Era a iminente chance daquele homem da bilheteira se vingar do patético mocinho do interior.
- Troco é o que eu vou te dar, você está sem trocado.
E restituiu-lhe a diferença.




Ajoelhou-se, tirou uma pequena caixinha do bolso. Fitou-a com paixão e fulgor, tomou um fôlego e arriscou:
- Roberta, vamos juntar nossos trapos?
A moça no início do processo já preparava sua reposta positiva, ao ver o amado ir ao chão, procurar pelas alianças... quase disse o "sim" ao ouvir o "Roberta" no início da frase. Mas engolira em seco... "Juntar nossos trapos" !?
Fez-se poucos segundos de pausa. Que pra Roberta pareceram dois minutos e pra Adriano duas horas.
Ela só cuidava em pensar uma coisa: como Adriano podia ter estragado um dos momentos mais especiais da sua vida? Não podia dizer a frase padrão, como faz todo mundo, e como é deliciosamente romântico? "Quer casar comigo?" ou até um despretensioso e fofo "Casa comigo?"... mas JUNTAR TRAPOS!? Ela não era rota pra andar por aí em trapos. Ela não é colcha pra juntar retalhos.
Ele só cuidava em olhar nos olhos da amada, sem nem a vaga ideia do que acabara de dizer, pra ele foi um pedido normal, aliás, se fosse contar pra alguém contaria com a frase padrão. De fato o que passava na mente do rapaz é que a amada titubeava, e isso foi o calvário.
O silêncio finalmente fora quebrado, Roberta voltou a si:
- Não.
E continuaria sendo "Não" enquanto tudo não corresse nos conformes. Onde já se viu? Daí na hora da pergunta do padre ele responde "Afirmativo" !? Ela não teria brio o suficiente pra aguentar outra, na certa enfartaria, ela precisava mudar isso o quanto antes.



- Clica lá no vídeo. Banda "Rockers", acho que a música é "Rage Lovers".
- Cliquei... Nossa!... Que massa!
- Legal mesmo, !
- Sim!! Adorei isso que ela faz no final da estrofe. É lindo de se ouvir. Como chama mesmo?
- Voz.

Comentários

Líviarbítrio. disse…
hHAhhahaha...

É de dar boas gargalhadas.

Cada trecho mais interessante que outro.

Adorei, beijos.
Tiago Faller disse…
HasuhashasuhhasuhasuH!

Tua cara, piá... Estava com saudade de ler seus devaneios. =)
Tato Barba disse…
Devaneios tolos: humor inteligente no blogspot!

haha!

Adorei, nego!
Raooh disse…
Ri do cara do metrô
Tamires Oliveira disse…
kkkkk' adorei cada um ... é disso que eu gosto em suas palavras, a simplicidade e o bom humor (:

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.