17/12/2012

Adeus ano velho.

Já podem encerrar 2012. É verdade... eu deixo de cortesia esses 10, 15 dias que faltam. Foram tantos acontecimentos emblemáticos que tá me deixando até com preguiça me preparar para outros. 

Tudo vem para selar, tudo vem para colocar um carimbo de "taí algo que comprove" E esse ano foi assim: eu me apaixonei e desapaixonei, mais de uma vez por mais de uma pessoa; fui tentado, subjugado a agir contra meus princípios e só não cedi por estar muito feliz com o lugar que já cheguei; hoje mesmo quase joguei tudo pro alto em nome de arriscar algo que claramente não traria futuro; fiz amizades, das mais variadas, pessoas que significam coisas opostas para mim: gente que chegou para me mostrar outras perspectivas no profissional, bem como os que surgiram para me mostrar o que é a vida sentimental; presenciei muitas cenas, fiz parte de uma plateia bem seleta, com o prazer de ver o autoconhecimento surgir e perceber como lidam com isso; adquiri novas vontades; consolidei novos e velhos sonhos; fui (o que eu considero) eu mesmo o tempo todo, doesse a quem fosse, não fiz (tanto) tipo e me sentia feliz deitando a cabeça no travesseiro; por essas e por algumas que esqueço no momento, encerrem logo este ano.  

Tem uma ou duas coisas que me resta fazer - unicamente para cumprir agenda - mas de resto, pode ir embora e que venha the year of living dangerously. 

Nenhum comentário: