Pular para o conteúdo principal

A Cartomante

(...)

Cena 5

Camilo e Rita

Camilo: E foi então que pude ler no próprio coração; não consigo arrancar os olhos do bilhetinho que você me deu de aniversário. Palavras vulgares; mas há vulgaridades sublimes, ou, pelo menos, deleitosas. E não s

ei se nada disso é certo. Não sei mais. Fazer isso com Vilela não é certo.

Rita: - Mas não fizemos nada... ainda.

Camilo: - Rita! É bom que fiquemos onde estamos!

Rita: - Camilo, vou lhe dizer, não há mais como segurar. Você apareceu na minha vida e bagunçou tudo. O jeito com que você me dá atenção, o jeito de você me entender. Coisas simples, pequenas, mas que me fazem mulher. E eu não tenho nada disso com ele.

Camilo: - Rita! Você não é minha!

Rita: - Quem disse que não? Eu sou sua sim! Desde o dia que te vi! Você não saia mais de minha cabeça, e eu confundi a paixão avassaladora que sentia por você com repulsa, até que com seus pequenos gestos, ora de canalha, ora de menino, você me fisgou. Estou presa a você Camilo!

Camilo: - Rita você está agindo como uma serpente, foi-se acercando de mim, envolveu-me todo, fez-me estalar os ossos num espasmo...

Rita: (interrompendo) – Só falta pingar-lhe o veneno na boca! Vamos, Camilo, permita-se! Se eu fui serpente e você presa, devo dizer que vem sendo das mais fáceis! Até agora você permitiu que eu desse o bote em você, não vai deixar que eu termine de atacar? Ande! Me beija, mostre pra mim tudo o que você vem sentindo e quer fazer.

Camilo: - Me solta! (sai, mas para no meio do caminho e volta correndo. Agarra Rita e tasca-lhe um beijo. Os dois caem no sofá.)

(...)

trecho da adaptação que fiz para o teatro

apresentação CEUNSP 23/10/2008 às 21hs

Comentários

Muito interessante seu blog. Vc adaptou A Cartomante de Machado de Asis para teatro? Bacana demais viu? Parabéns!
Tiago Faller disse…
Foi ontemmm!

Filmou?
Anônimo disse…
Amei a cena cinco!!!
Quero ler tudoooooo!!!
Beijaooo e saudade
Mari
.Theodora disse…
Heey, tudo bom ?

Então, acompanho seu blog faz um tempo e adoro seus posts, muito bons *-*
Mas, esse vale o comentário (não que os outros não valham, mãs), afinal A Cartomante é demais e a adaptação para o teatro está muito boa *-*
Queria saber se você pode mandar a adaptação inteira pro meu email (theodora.pl@hotmail.com ou gi_tpereira@hotmail.com)

Uma súplica de uma mera fã de Machado de Assis e Marcelo Aglio (:

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.