20/11/2008

Contente contador:

Descontente, contento-me com a contenção. Não contes com a contagem de meus contos, apenas com os contornos contados aos quatro cantos!
Quem contou quantos contos contara? Conte-me! Contigo conto incontáveis descontentes, que não contentaram-se sequer com continhos de canto; contudo, comigo podes contar.
Consigo conta o contador descontente; contigo conto eu,  contido, contudo contentando-me com a contenção. Contento-me comigo: consequëncia de não conseguir. 
Tentei confraternizar meu conto consigo. Consigo comigo, não consigo. Quem consegue, é descontente, conseguir consignar conto a conto, não é conta que se conte! 
Ah! Contente contador, se consegues ser contente, consequência da incontagem, não conto-os, apenas conto os cantinhos de meus contos, sem fazer a conta, contraindo teu contado exemplo. 
Conto contigo! 

4 comentários:

Tiago Faller disse...

Será que a palavra GENIAL seria suficiente para descrever? Acho improvável. Enfim, tu és ótimo, piá.

E claro, conte comigo. Pois conto contigo contando comigo.

(AMEI o post!)

Rebecca Garcez. disse...

Seu blog me fez ter uma lembrança com cheirinho de chá!

Lembrei de um texto meu, que construí dentro de um onibus, estruturei em minha mente a ordem das palavras, já estava escuro, a chuva forte e o barulho dos trovões me mostravam o quanto eu necessitava de uma mudança.
Uma semana depois, larguei meu namorado.
HAHAHA

Há sete meses!

Bom, o texto é curto, mas pra mim, imenso e denso... Por causa da luz que me trouxe. (E não era a dos trovões!)
Qualquer dia desses eu procuro no computador e colo aqui pra você.


Obrigada pela visita,
beijo grande!

mari in the sky.- disse...

Praticamente um trava linguas!
Adorei, meu querido Marcelo!
Cada dia mais se aprimorando.
Eu acho que estou com saudade..

Abre-te Mente disse...

Ótima eloquência. Parabéns pelo excelente blog repleto de ótimos textos.

Saudações.