Pular para o conteúdo principal

Arquivo bienal.

    De fato, se eu (e observe que pelo pronome, mais uma vez o ego ísmo/centrismo imperará no texto) quisesse fazer um estudo cronológico da existência desta página da internet, nomeada pelo delicioso e quase ínfimo verso de Chão de Giz, confundir-se-ia com minha evolução ao decorrer desses dois anos. Principia-se com a criação do blog naquela noite de julho de 2007 e o estabelecimento de sua ocupação na world wide web: uma página vazia
    Uma semana depois, vim a conhecer aquela que seria minha eterna Pierrot, não sem antes pseudonomear-me de Harlequin: fato muito aceito, usado e estudado por mim. Nossa convivência forçada aconteceu apenas no mês seguinte, quando todo o batismo Comédia Dell'art supracidado ocorreu.
   Em setembro do mesmo ano, este antro de fato nasceu, saindo da gravidez nua em que se encontrava e parido com a colagem do texto todo remendado do Plínio Marcos, recém lido e cheio de necessidade de aparecer por aí fazendo referência a mim mesmo. Aquela que me aguenta e ama - reciprocamente - leu e comentou. Comecei a gostar da ideia.
   Seis meses de curso pré-vestibular focados apenas na alcoolização e na descoberta dos horizontes sexuais e antropológicos - absurdo e real, creia - formataram o resultado de não se passar no vestibular para a pública e na consolidação daquilo que eu espalhei aos quatros ventos: a decepção de continuar a viver em Itu e de estudar no lugar que sempre falei mal. Tudo isso na verdade não passava de ser o que eu sempre quis fazer, queria fugir daqui só pra viver minha vida de boemia reflexiva, conquanto ainda tivesse a quem recorrer.
   Voltando à história do meu compilador virtual, a ascensão à vida acadêmica, cujo resultado não foi nada inovador, trouxe-me de novo àquele ímpeto de escrever e ser lido, coisa que o fiz, em fevereiro deste ano que passou. O amigo pra todas as risadas e papos lia, comentava e incentivava - isso tudo sem que eu pedisse - daí fui descarrilhando palavra por palavra. Consegui dar continuidade nisso, só pela grande ajuda do amigo lá de longe e de perto, que sempre achava boas minhas ideias. 
    Aprendia na instituição eternamente criticável os novos conceitos e formas de exploração do código, o que foi deliciosamente útil ao meu intelecto pseudodramaturgico, sempre citado por mim aqui ou acolá. Aventurei-me na prosa: contos, peças, crônicas, slogans, diários (exclusivamente neste texto aqui) e o que mais o humano possa criar nome; e, cônscio do risco, também neste universo poético explorado tão bem por tantos, inclusive pelo meu amigo que dá raiva do tanto que gosto.
  Só um paragrafozinho sobre a poesia: a primeira da vida foi pra minha maior cúmplice e eternamente primeiro amor, mas o texto não foi upado pra rede; o segundo - já aqui - foi escrito pro amor da minha vida que eu ainda não conhecia, obsoleto dizer que já sei quem é e por ela já foi lido. De resto, poetizei para mim próprio e para um ou outro flerte. Fim do parágrafo sobre textos em versos.
  Entrando no conclusivo, dois anos de textos são a minha prisão com a realidade, o meu "eu" refletido de uma forma arquivativa. Quero daqui a 40 anos ler um por um e rir dos meus desencontros e do processo de segmentação da minha personalidade lúdica e lírica. Eu mereço os parabéns vindo de mim, por manter mês a mês, com pouca ou muita produção, o hábito da escrita, para que assim eu nunca fuja dos meus objetivos - sabe-se lá quais - e das minhas ganâncias. 


"Finjo que escrevo para os outros, a boa verdade é que o escrevo para fugir de mim e leio-me para voltar a si." M.A. 

Comentários

Marília disse…
Marcelo, ótimo! A frase final amarrou perfeitamente o texto! Que orgulho dessa pessoa que eu tenho como irmão (:
Tiago Faller disse…
Ora, cara, que falta que 'tava fazendo eu passar por aqui e TE ler. ^^

Amo e como! Refinadas palavras, eu curto!

"senao minha vida vai parar de fazer sentido a qualquer momento"
Tato Barba disse…
"Recordar é viver"

hahaha! Maior cara de baile da terceira idade! =P

Gostei muito, nego. Muito mesmo. Agora, só falta a palestra com uma ou outra citação do sujeito amigo que, ainda flertando com coisas da musica e literatura, deseja tanto chegar aos ouvidos (e por que não, depois do elogio, aos olhos?) do maior número possível de pessoas, como em seu caso supracitado. Será a mesma patologia? Coincidência? Não. Eu prefiro afinidade ou, ainda, quem sabe, comunhão-amistosa-artística.

Grande abraço!
Tato Barba disse…
"música" tem acento, porra! =P
Bárbara Araujo disse…
É tão bom que qualquer forma que eu encontre de elogiar ainda vai ser pequena.

Te amo.
Líviarbítrio. disse…
Ora, ora.
Rubem Fonseca disse: "Escrevo para retirar-me de mim mesmo." Só para complementar teu texto que está ótimo, como sempre.

Todas as palavras engatilhadas cronológica e poeticamente.

Grande abraço.
Emanuela disse…
Belíssimo texto! Sem dúvida, um escrito de grande talento!
Letícia disse…
“Vocação é diferente de talento. Pode-se ter vocação e não ter talento, isto é, pode-se ser chamado e não saber como ir.” (Clarice Lispector)
Você foi chamado, e prova cada dia mais que sabe como ir.
Alex Pinheiro disse…
Salve! Venho vagando links deixados,,, gostei um tanto da sua ideia. Quando leio sobra o aborto das letras lembro de Rubens da Cunha e seus ditos em "Pq escrevo".
Parabéns por aguentar-se diário na blogosfera. Parabéns!

Sempre tem gente boa,,, e sempre estão muito próximos... mesmo assim continuam admirando o passado e os mais vendidos.

Abraços e introspectivas invenções!

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.