03/09/2009

Um gosto pela vida

Já passei agosto esperando setembro e bem me lembro.
 Se pusessem o menino em frente ao espelho e o reflexo fosse maior?
 Quem se vê projetado nos próprios sonhos, tem a habilidade de tecer seus próprios tapetes para limpar os pés da sujeira da decepção.
 As coisas são bem assim: o homem pensa ter certeza do que será amanhã simplesmente pelo subterfúgio do que fora ontem.
 Um copo cheio de prolixidade no café da manhã não faz mal a ninguém: aviva os ânimos subjetivos que há muito não circulam pela corrente sanguínea, dando aquele gostoso comixão e vontade de cuspir palavras uma a uma, e modificá-las os sentidos.
Nada tenho vez em quando tudo, tudo quero mais ou menos quanto.
A grande beleza é esquecer momentâneamente o controle que temos sobre nossa vida e que as maiores decisões resumem-se em ficar parado ou não.
E como eu não nasci pra dar bandeira:
Quero viver, quero ouvir quero ver.

2 comentários:

Ivete disse...

Sede de vida manifesta em palavras...
"Quem se vê projetado nos próprios sonhos, tem a habilidade de tecer seus próprios tapetes para limpar os pés da sujeira da decepção". Adorei esta frase! É certeira,verdadeira demais...

Beijinhos

Letícia disse...

Simplesmente obrigada!
Ler o que você escreve sempre me faz acreditar que eu não estou sozinha nesse mundo, que há alguém do outro lado que também almeja viver, ouvir e ver. E que sabe como ninguém traduzir em palavras sentimentos que guardo comigo todas as manhãs.
É uma honra, sem demasiado exagero, poder partilhar de seus pensamentos!
Tocou-me, embora não seja esta necessariamente uma novidade.