Pular para o conteúdo principal

OLHA

 Nesse blog não relato coisas que "só acontecem comigo", mas tô disposto a escrever um troço aqui, e quem não curtir pode clicar naquele x vermelho lá. Porque o blog é meu (tá, agora ficou parecendo outra coisa), enfim:


 Tô aqui pra deixar claro que sou contra a censura, mas a favor do respeito, por isso mesmo digo: crianças, não paguem suas contas em dia. 
 Sério, o CEUNSP faz uns boletos mucholocos que contam fim de semana como dias úteis (Gente, eles encontraram utilidade no domingo! Isso é sacrilégio!), daí seu boleto sempre vence 1 ou 2 dias antes do quinto dia útil do resto do Brasil. De boas, tô até acostumado a pagar sempre atrasado. A questão é que meu pagamento caiu hoje, na mesma data de vencimento do boleto de setembro, e eu pensei em uma vez na vida ter a capacidade de não pagar juros e taxa de conta vencida. Fui lá, tirei a grana e fui à faculdade quitar minha dívida com a sociedade (ou ao menos, metade dela). O fato é que "não recebemos mensalidade antes do vencimento, Sr.". 
Tipo, ALÔ? Como assim existe um caixa na faculdade e ele é designado única e exclusivamente aos inadimplentes? 
 Beleza, saí em direção à Banca de jornal da esquina que mui convenientemente recebe contas, mas estava fechada, porque hoje é dia SEIS DE SETEMBRO e não tinha ninguém fora eu, os funcionários da faculdade e o Maionese naquela praça. MAS APOSTO COM VOCÊS QUE A FACULDADE CONTA ESSE SEIS DE SETEMBRO COMO DIA ÚTIL PRAQUELE BOLETOZINHO DE MERDA!...Desculpa que alterei.
 Então, mais do que depressa ( já eram 19h30) lembrei-me que a única lotérica que possivelmente estaria aberta seria a do digno xopis-centis dessa cidade provinciana. Desloquei-me até lá e, já na portaria, lembrei-me da taxa de R$3,00 para o estacionamento. "Fudeu", pensei, "Vai ficar mais caro do que se eu deixar pra pagar quarta-feira" (porque amanhã é feriado e a Ceunsp não vai abrir pra receber conta, MAS PERGUNTEM-ME SE ELA CONSIDERA COMO DIA ÚTIL?).
 Minha salvação foi ler as letrinhas do cartaz e ver que se permanecesse no shopping só por 20min, não precisaria pagar o estacionamento. Peguei o ticket e li 19:33, pensei "Beleza, dá tempo, só chegar e pagar". Estava triunfante, estacionei todo pimpão, entrei e vi a fila da lotérica fazendo curva. Porque é óbvio que eu não seria o único idiota que vai pagar conta perto da ultima lotérica da cidade fechar, e também não sou o único idiota dessa mesma cidade que faz Ceunsp e tem problemas com seus dias úteis. Enfim, no Hipermercado junto do shopping (não vou fazer propaganda do Extra nesse blog nem a pau, né?) Tem um caixa pra receber conta: "19:36, dá tempo..." Filinha razoavelmente pequena. E o ombudsman ainda chegou e despachou mó galera que "a contám é do cartão extrãn? Por favor, naquelên outro caixán."
 Eu sofria: 
 "Dá tempo, dá tempo, a fila diminuiu...19:42, vai dar!"
 "19:46, caralho, será que meu relógio tá igual ao da maquininha do ticket?"
 "19:47...ei?"
 Chegou todo sutilmente e gracioso, sobre seu patins, de novo,  o Ombudsman pra dizer "Senhórens, o sixxxtema caiuãn, não dá maix pra receber contâns." 
 Cara, não fiquei nem pra xingar! Era 19:48! Eu tinha 5 minutos pra voar até o carro e sair daquela merda, e foi o que eu fiz, a última vez que eu saí correndo tão rápido assim do Extra foi quando eu roubei um chocolate e um Doritos (não me perguntem como) em 2002. 
 Tava na fila de carros pra sair, "19:50... CARALHO! Se não der tempo vou ter que voltar e validar essa porra lá dentro... VAMÔ!!" 
 Daí que a Lady Murphy, essa linda, tava fazendo muito bem o seu trabalho hoje, e logo na minha frente tinha um carro que na certa ou esqueceu de validar seu ticket, ou era algum algum outro aluno da CEUNSP com problemas (se é que existe algum que não tenha). E o lindo ficou lá enrolando pra sair. Veio o guardinha, veio o outro guardinha, veio a puta que o pariu, até que o cusão sair pelo escape lá.
 Minha vez, tudo ou nada, 19:52 no meu relógio, vai dar... Passei o ticket no leitor... "PIIIIIIIIIIII" "Caramba, o que será isso? Será que tá me mandando voltar?".

 Acabou o texto galera, morram de curiosidade. Se o meu dia foi uma merda, tá aqui minha contribuição pra o que de vocês também seja.
 E lembrem-se, nunca paguem as suas contas no dia certo, tá que no final da sua vida o que você pagou de juros daria pra comprar um carro 0km, mas é melhor nem ter carro no preço que tá o estacionamento do shopping.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.