Pular para o conteúdo principal

Se eu quiser falar.

- Toma uma cadeira.
- Oi?
- Senta.
- Ah, sim!
- Pois não?
- Estou com um problema. Na verdade um não, são vários que compõem um maior.
- Eu sei. Mas vou fazer que não...
- Por favor. Essa conversa e futuro texto têm de ter o desprendimento de uma consulta.
- De um desabafo.
- De quê?
- Na verdade você quer desabafar e só não encontrou como. Então quer escrever, como sempre.
- Olha, não dá pra fazer assim não... se você começar a revelar meu subconsciente logo agora, vai ficar difícil de desenvolver o papo.
- Sim. Só fiz pra descontrair... mas, prossiga. Qual é mesmo o seu problema?
- Eu não gosto de mim.
- Disserte.
- Assim... até gosto, sabe? Não é que eu vá me jogar na frente de um carro ou bater o meu de propósito amanhã, não é esse instinto suicida, não.
- Você não é suicida. Se fosse, nossa conversa seria totalmente outra.
- Pois então. O problema é que tem coisa demais em mim que eu não gosto e que queria mudar.
- Então muda.
- HÁ! NÃO ME VENHA VOCÊ, JUSTO VOCÊ, MANDAR UMA DESSA “ENTÃO MUDA” COMO SE FOSSE ASSIM INSTANTÂNEO
- Tá gritando na discussão. Gosto muito quando você faz isso.
- Desculpa, foi sem querer.
- Só nós dois gostamos quando você faz isso. Portanto, não é sem querer. Você sabe das consequências, mas gosta de reafirmar seus defeitos sutilmente, sem que percebam que é algo calculado. Sua voz alta é sua marca.
- Tá, tá, tá bom... o foco não é esse. Lembra aquele papo de mudar e de não ser tão fácil assim?
- Claro.
- É isso, sabe? Grosso modo eu modifico algumas atitudes e não ajo sob maldade, não que eu note, só que eu tenho a sensação de estar incomodando ou ofendendo alguém desde quando eu acordo, até o instante de ir dormir. E incomodo também durante o sono. A cada passo, atitude – ou falta de – estou sendo julgado e apontado.
- Ninguém esta livre de julgamento, você é uma das pessoas que conheço que mais diz isso, inclusive em seus conselhos.
- Eu sei, eu sei, eu sei... Não tem a ver com o que as pessoas ACHAM de mim ou a opinião delas sobre minha índole. Aliás, dane-se, é que tem gente que importa demais se importando demais.
- Gostei da frase.
- Obrigado. Bem... Acho que é isso tudo, sei lá.
- Certo. Vou explicar bem detalhadamente, espero que você entenda de primeira: você gosta de você mesmo sim, só fica falando isso pra se eximir da culpa. Você não gosta é do fato das pessoas gostarem de você. De te amarem e esperarem isso em troca. Detesta essa possibilidade. O julgamento delas sobre você, de fato, pouco importa, mas sim o modo como elas irão conceber suas atitudes dentro da convivência. Resumindo, você tem verdadeira antipatia à obrigação de agradar as pessoas.
- É exatamente isso. E você disse “Então muda.”. Eu lhe pergunto, como?
- Você tem de aprender a falar comigo, inicialmente. É até um passo bacana esse que você deu agora, mas você tem de se encher mais de certezas. Não que tudo tenha um único ponto correto, adoro a relatividade, você sabe.
- Sei.
- Enfim, a maioria é coisa da sua cabeça e o medo que você sempre teve de encarar as coisas, apesar de querer deixar claro a todo mundo a não existência desse temor. Você seleciona o que é menos impactante e manda brasa, porém não é bem assim. Resolva tudo o que está ao alcance, mas nem sempre com uma conversa franca e com tomada de partido; vá aos poucos convencendo com atitudes e fatos muito mais do que com palavras. Com o tempo, o fardo da responsabilidade com os outros vai diminuindo.
- Não sei se eu vou conseguir isso tudo, é difícil.
- Claro que é, mas você é forte, sabe que é, e adora admitir isso sutilmente.
- HAHAHAHAHA!
- Agora eternize isso tudo e seja feliz. Foi pra isso que te criei.
- Obrigado, acho que adiantou bastante. Até.
- Até.

Comentários

Letícia Gatto disse…
eu já lhe disse isso inúmeras vezes, mas irei repetir: seus textos sempre parecem ler a minha mente, e acabam colocando em palavras aquilo que eu já nem consigo mais expressar.
ah má, que lindo, lindo, lindo!

é sempre um prazer....
beijos

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

OLHA

Nesse blog não relato coisas que "só acontecem comigo", mas tô disposto a escrever um troço aqui, e quem não curtir pode clicar naquele x vermelho lá. Porque o blog é meu (tá, agora ficou parecendo outra coisa), enfim:


 Tô aqui pra deixar claro que sou contra a censura, mas a favor do respeito, por isso mesmo digo: crianças, não paguem suas contas em dia.   Sério, o CEUNSP faz uns boletos mucholocos que contam fim de semana como dias úteis (Gente, eles encontraram utilidade no domingo! Isso é sacrilégio!), daí seu boleto sempre vence 1 ou 2 dias antes do quinto dia útil do resto do Brasil. De boas, tô até acostumado a pagar sempre atrasado. A questão é que meu pagamento caiu hoje, na mesma data de vencimento do boleto de setembro, e eu pensei em uma vez na vida ter a capacidade de não pagar juros e taxa de conta vencida. Fui lá, tirei a grana e fui à faculdade quitar minha dívida com a sociedade (ou ao menos, metade dela). O fato é que "não recebemos mensalidade antes do…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…