Pular para o conteúdo principal

Entrelinhas de um criado mudo.

Eu acho que tenho certeza daquilo que eu quero agora; daquilo que mando embora;
daquilo que me demora.
Eu acho que tenho certeza daquilo que me conforma; daquilo que quero entender
e não acomodar com o que incomoda.
Não acomodar com o que incomoda,mas...
Acordava do mesmo jeito de sempre: feio, descabelado e sem um pingo de vontade de viver.
Vivia do mesmo jeito de sempre, também pudera, sua vida era completamente sem graça... Pra ele!
Descrevia-se na terceira pessoa, por achar bonito. Dizem que essa mania não passou ainda, não por enquanto. Era vago em suas palavras, pra não se denunciar, não se expor, não ter que dar satisfações.
Brigava constantemente com quem mais amava, amava constantemente quem mais brigava.
Chorava.
Sentava em frente uma máquina praticamente todos os dias da sua vida, o dia todo, aproveitando dela apenas as pessoas que faziam o mesmo.
Precisava de um banho frio, um espelho, uma surra do destino. Precisava de distância de casa.
Reencontrou a si mesmo. Via uma criança que deixou de lado seus brinquedos pra viver uma vida muito perigosa. Via que deixara sua melhor companhia pra trás.
Viu seu sonho dos onze anos. Tudo o que queria ser jogado ao léo, pois concluiu o melhor possível: desistir de um sonho não é deixar de lutá-lo, mas sim deixar de fazer o que está a seu alcance, paulatinamente, no empenho de realizá-lo.

E quando eu vou, é quando eu acho que: onde é que eu tô é pouco e tanto faz.
Seja o que for, seja o que surge e some.
Seja o que consome mais.
Seja o que consome mais.
Faz...

Num belo dia, decidiu fazer a maior loucura geográfica da vida dele, e foi. Viu o que precisava ser visto: si próprio.
Precisou reconhecer algo parecido com que se tornaria se não tivesse abandonado suas convicções no meio do caminho. Veio uma dor tão grande, porém não aquela que lateja. Era uma que gritava sem voz dentro dele mesmo. Masoquismamente amou sentir aquilo.
Ver-se depois de tanto tempo, foi como encontrar aquele álbum de fotos há muito esquecido dentro de uma gaveta, folhear foto por foto e consumir seu passado. Já sabia o que faltava pro futuro. Só lhe faltava FAZER!

E a historia que nem passou por nós direito ainda, pr'onde é que foi?

Comentários

Tiago Faller disse…
Simplesmente PERFEITO!

"A gente vai olhar pra trás e rir disso tudo ainda..."
Marília disse…
realmente, como tu me descreveu... Li alguém que dizia que o inferno estava nos outros, pois neles achamos nossos próprios erros, são espelhos; mas acredito também que o mesmo acontece com o 'paraíso', este que também se encontra no outro, do mesmo modo que o inferno.
Sei que aproveitou o máximo, e me alegro de ter conhecido o Marcelo.
Brito disse…
A coragem está em todos os nossos atos, sejam eles bons ou falhos.

Sempre penso em como sou e conheço-me tão pouco.

Adorei o texto, ;)
Anônimo disse…
o texto tão bonito que eu nem consigo achar palavras pra comentar.

to shorand (':

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.