Pular para o conteúdo principal

A pedra no rio.

O ano era algum em torno de 1930. A moça era jovem, tinha dezesseis ou dezessete quando casara. O marido era mais velho, beirava os vinte e seis ou os vinte e oito. Ninguém sabia ao certo. As más e sinceras linguas diziam que a pressa no casamento aconteceu pela desonra da moça. Boato ou não, havia acontecido e ela pegou barriga.
Os patrões do rapaz deram moradia e função a ambos. Ele carpinava, roçava, ajudava na lavoura e ordenhava os animais. Ela ficava na casa grande, fazendo companhia e satisfazendo os caprichos da jovem senhora. A barriga crescia a cada dia.
Uma das funções da rapariga era lidar com louças e roupas, trabalho o qual lhe satisfazia, pois ia pra beira do rio, com o céu e a imensidão do mundo [nada interessantes a ela] acima. De bacia na mão - o alumínio alumiava-se pelo sol - cantarolava uma das canções que ouvira da ama mais velha. Usava a barrigona de apoio para algumas peças de roupa, enquanto esfregava uma na outra de cócoras.
A menina gritou por ela lá da casa grande, a moça soltou um resmungo baixo que se misturou com a canção, olhou e levantou. O barro estava molhado, escorregou e caiu sentada.
Foi grande a comoção -ainda sim amenizada, pois a parteira da vila estava próxima da margem - daí então um pulo pra que se aglomerassem.
- Caiu ? - dizia o marido chegando - Como?
- Sentada. - a parteira fitou-o com repulsa - Afasta, afasta. Tráz a tesoura lá de dentro, esquenta ela antes.
O jovem saiu ligeiro, a rapariga berrava as dores.
- Esse bucho é de oito mês. Quando ocê deitou com ele que parou de vir as regras?
A moça esitou. Dizer pra própria mãe coisas do tipo não era de seu agrado.
- Dispois da quermesse de Santo Tonho. Antes do casório.
A velha senhora engoliu o sermão, saber que a filha tinha sido desonrada não era mais novidade, apenas confirmação.No entanto foi depois do que imaginara que tivesse sido. Fez as contas e disse:
- Então é bucho de seis. Mesmo assim caiu sentada, tá coroano já. Vo ter que tirar.
Do alto de sua inocência e sofrimento a filha perguntou:
- E vai sair por onde?
Mãe conhecia filha, e respondeu firme e tradicionalmente.
- Pelo mesmo lugar que entrou.
Foi um susto.
- Mas como? Vai arreganhar?
A senhora então pegou uma pedra próxima e atirou no rio. A moça observou. Em seguida a póetica explicação.
- Vês? A água abre, agita pra pedra passar, mas depois que passa, a água fecha e volta tudo como era antes.
Tudo o que precisava ser sabido, já era. As dores aumentavam, a dificuldade também. De quando em quando entre urros a jovem perguntava
- Vai demorar muito?
O marido voltava com o pedido, foi difícil esquentá-lo, mas antes ainda foi mais dificil descobrir de que se tratava uma tesoura.
- Vai demorar muito? - insistia a rapariga.
A mãe ignorando, terminou e puxou. Gêmeas. Mortas. Usou a tesoura nos cordões, arrancou a placenta. Jogou tudo no rio. Olhou para o marido e fez com os dedos o número "dois". A rapariga intrometeu-se
- Vai demorar duas hora ainda??

Comentários

Lívia Brito disse…
Adorei a metáfora, e o conto.

;)
Tiago Faller disse…
Além de eu adorar esse tipo de post, você ainda quebra tudo com isso:

"A água abre, agita pra pedra passar, mas depois que passa, a água fecha e volta tudo como era antes."

Magnífico! =)
Lívia Brito disse…
E adorei o novo layout! ;)

;*
Lívia Brito disse…
hey

desse jeito vou ficar me achando demais, hihi.. gostei do seu cometário lá na Coluna!!! *.*

Obrigadinha.
Não chegou nada para mim no msn.

tenta add de novo
liviabr@hotmail.com

;)
beijinhos.
Jéh. disse…
MSADLÇDASMLK eu ri '-'
e gostei, bem legal a história!
beijo celo celo <3
Eita... Adorei o conto! Parabéns!
Então vc faz Letras tb? É;... bem vindo ao clube... rs rs rs
Bjs e uma boa semaninha p vc!
E que sábado chegue logoooo

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.