Pular para o conteúdo principal

3:30 AM

Que sensação é essa? Que medo do que está por vir povoa o meu ser, hoje, aqui em meu velho quarto azul? "Li" meu álbum de fotografias à Camões: de uma maneira "nunca dantes explorada".
Vi tudo o que a vida, ou , sem ter vergonha, este Ser maior, está querendo me mostrar, me esfregar na cara, me fazer engolir, digerir e carregar comigo.

De qual pressuposto infame estou, eu , partindo quando sinto-me só e para sempre à mercê de um destino repleto de infortúnios?

Há sim, quem me apoie e deseje, mais que tudo em sua vida, meu pleno sucesso e realização pessoal. Mal-agradecido, eu omiti tal fato de minha mente e coração.

"De hoje em diante, serei quem sou, no instante agora". Foto por foto, via que nada em minha vida fora em vão, portanto não tenho o direito de torná-la obstoleta conforme sigo meus futuros passos.

Idealizei meu percurso, seguir-lo-ei , agora, com a elegância de um errante. O que me felicita é saber que já saí de fábrica com o alvará para cometer quaisquer erros. O máximo que me custará é a morte, quero dizer, só por consequëncia dela não poderei consertar meus enganos.
Minha humanidade é, sempre foi e sempre será, meu maior e melhor porto seguro. Não me consifero perfeito, mesmo, e dou graças por isso. No entanto, tal fato não é justificativa para a "persistência no erro auto-confortante". Fiz-me entender, creio.

Voltando à trajetória que estou a percorrer, abri meu leque de opções e lido com elas de uma maneira assustadoramente objetiva: uma proeza inerte ao meu ser.

Daí, assim:
Em dezenove anos e dois meses, fui sendo rodeado pelo meu destino, mesmo que eu ou outros tentássmos fazê-lo dasistir. O danado encontrou uma brecha e foi tomando conta pouco a pouco. Tá aqui agora, ao meu lado, fazendo-me cafuné enquanto escrevo. Dando-me, assim, inspiração: uma das suas principais armas na luta por sua própria realização.

Sobre o destino, é impossível citá-lo sem o relacionar diretamente à sua mandante: a arte.
Juro que sou artista, viu? Amiúde faço por aí das minhas artes. Não precisam ser reconhecidas pela sociedade, por um amigo, por um estranho, por mim, por ninguém! A arte se basta pelo ritual estabelecido no momento de sua criação. Aí, eterniza-se, pois, mesmo com etapas primitivas, o destino dessa arte já está muito bem ob/subjetivado. Estando eu também em mesmas condições, concluo, na penúltima foto, que também sou arte.

Comentários

Marília menine disse…
Nossa, você faz arte por todo lado, como diria minha avó: arteiro!
haahhahaahahha

Gostay desse texto, se parece com você.

Postagens mais visitadas deste blog

O ano de viver perigosamente.

Vivere pericoloso é o que diriam os italianos, ou até um romance que conta um trecho da história da Indonésia. Foi por aí que me interessei em "Year of Living Dangerously" da "Scissor Sisters", uma de minhas bandas favoritas. Simplesmente porque ela descreve tudo o que 2013 deve ser de acordo com os meus planos. A letra fala por si.


  "Year Of Living Dangerously"
Tell me what does it mean to be faithful?      Diga-me o que quer dizer ter fé? Is a heart only made for beats?                   Um coração só foi feito para bater? Just another word for painful?                     Somente outra palavra para o sofrimento?
So I try to slow down, the brake’s broken.    Então eu tento ir mais lento, o freio quebrou. There’s no way to jump out of here,            Não há modo de pular fora daqui. All these conversations unspoken...             Todas essas conversas não ditas...
So I keep searching                                  Então eu continuo procurando For every…

Falando de religião

Eu saio na hora do almoço da escola às quartas-feiras e, após resolver algumas coisas da vida, cheguei em casa como sempre na vontade de usar o computador. Minha irmã estava no meu quarto e meu notebook só se conecta á internet quando cabeado, então peguei o pc da minha mãe e fiquei na sala. 

Só estou descrevendo isso, porque é algo que NUNCA ocorre, não fico normalmente na sala  de casa às três da tarde. Foi quando tocou a campainha no melhor "tem um tempinho para Jesus?". Olhei pelo vidro da porta: dois daqueles rapazes de camisa branca e gravata que passam pelas ruas. Certa vez eles vieram em casa e conversaram com meu pai.

Eu sabia no que aquilo tudo ia dar, entretanto eu não era o mesmo daquele tempo... minha fé e meu conceito de religião já mudaram muito. Fui atendê-los.
Um era bem branco, alto, com um sotaque estrangeiro: americano ou inglês. O outro era mulato mas falava meio ressabiado de boca quase fechada... tentei identificar naquele momento de que país era, mas foi…

Out do In

Entra no boteco suburbano, decorado com fotos P&B, bandeiras arco-íris e uma estátua do buda no canto do salão; passa pelas pessoas sentadas, perdidas entre doses de conhaque com limão, cervejas mais amargas que a média; entreolha os pares de all-stares, os moletons e os cachecóis xadrezes; sobe no pequeno palco usado vez ou outra para declamar poesias ao toque do violão; para e observa cada um dos presentes. Estes ao notarem a presença do rapaz cessam de assobiar bossa-nova. Ele estufa o peito de coragem e manda às favas as consequências, julgá-lo-iam  incessantemente depois disso, mas não importava. Quando a batida indie da jukebox termina de tocar ele aproveita o silêncio coletivo para fazer a revelação fatídica em alto e bom som:

- Meu CD preferido do Los Hermanos é o primeiro.

Deixa o bar sem o brio de olhar pra trás e fitar os olhares de indignação.