19/02/2008

Abdico

Acaba...
Brilhantemente seus vícios viram pó, varrido pra debaixo do tapete.
E então você percebe que tudo aquilo um dia formulado fora em vão.
Que suas escolhas não foram as corretas, como imaginado.
Que seu prazer encima do sofrimento de quem ama e do constante sigilo são obsoletos e cruéis.
Começa...
A jornada pela anulação de seu próprio "ideal" fajuto, algo que não é grande o suficiente pra tomar as rédeas de sua vida, contudo não é pequeno a ponto de ser ignorado.
Caem as máscaras, caem os desejos caem as vontades , caem as amizades, e no fim sobra apenas o velho tapete solitário.Divorciado de toda poeira que um dia escondera.
E te ligam, te convidam, e tem que estar presente.Calmo, ativo e com um copo de cerveja sorrindo na espuma.
E tudo o que você quer é fugir, gritar alto longe dali, será um egoísta assim , mas quem se importa? Afinal de contas a "vida é uma só e devemos aproveita-lá ao máximo". Muitos vivem sobre esse quesito libertador, certo dia me atrevi, mas percebo hoje que se evoluímos a tal ponto, é porque em determinado momento deixamos nossas vontades de lado e falamos com o racional.
Abdicar é uma faca cravante.
Abdico!

Nenhum comentário: